Big data no sector imobiliário

A internet e, em particular, as redes sociais são bases de dados gigantescas sobre os gostos e hábitos da humanidade. Escondidas nesta informação estão as tendências de comportamento dos consumidores. É por esta razão que as empresas estão a investir fortemente em sistemas para obter, analisar e interpretar este Big Data.

No sector imobiliário, o tempo entre a tomada de decisão sobre a construção de um imóvel e o momento da sua comercialização é muito grande e qualquer erro no plano comercial será pago muito caro. É precisamente para gerir este tipo de riscos que devemos usar big data, prevendo qual a melhor configuração de imóveis a construir em cada localização. Também na comercialização de imóveis já construídos podemos usar big data, para aumentar a eficácia das campanhas de marketing e dos planos de meios que as suportam.

No entanto, existem problemas que dificultam o uso de big data para a maior parte das empresas no sector imobiliário: a falta de especialistas em big data nos quadros das empresas, a incapacidade para lidar como dados não estruturados e a falta de investimento em capacidade computacional.

A falta de especialistas em big data nos quadros das empresas deve ser resolvida através da criação de uma nova função, os Data Scientists. Trata-se de uma junção de market research, estatística avançada e programador computacional. Muitos dos novos engenheiros computacionais que formados hoje das nossas universidades poderão ser os futuros data scientists das nossas empresas.

Em relação à incapacidade de lidar com dados não estruturados, é necessário compreender, em primeiro lugar, que a falta de homogeneização se deve às diferentes origens da informação recolhida e à falta de guidelines para a organização desta informação. A solução passa por uma gestão profissional, capaz de definir com clareza quais são os dados que interessam e quais as fontes que podem ser confiáveis. A partir daqui passa a ser possível trabalhar em conjunto com os data providers seleccionados para construir uma estrutura de dados homogénea, estável, e compatível com a estratégia e com os sistemas da empresa.

A falta de investimento em capacidade computacional é um problema para gerir big data porque para processar triliões de dados em tempo real necessitamos de supercomputadores. Felizmente este problema pode ser resolvido recorrendo ao cloud computing. Esta solução permite automatizar mais processos e aumentar a capacidade de reação da empresa e melhorar a eficiência das operações. Para fazer isto é preciso construir "pontes" entre o cloud computer e os sistemas de trabalho "normais" da empresa. Novamente a qualidade da gestão da empresa tem um papel crucial porque só as empresas bem organizadas e com métodos de trabalho bem definidos consegue criar pontes entre as operações e o cloud computer.

A revolução digital apresenta ao sector imobiliário desafios e grandes oportunidades. Para tirar partido desta revolução as empresas necessitam de repensar os seus modelos de aquisição de Clientes, os seus modelos de negócio, as suas competências e a sua estrutura organizacional. Desta forma poderão ter a capacidade de compreender as novas tecnologias e usá-las para melhorar a performance dos seus serviços junto dos Clientes.

Comissão Executiva - Director de Marketing e Tecnologia da ERA Portugal

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.