5 recomendações para uma alimentação mais saudável e sustentável

Ao consultarmos o dicionário da língua portuguesa verificamos que o termo "sustentabilidade" significa característica ou qualidade do que é sustentável, sendo "sustentável" o que se pode sustentar, defender ou seguir ou realizado de forma a não esgotar os recursos naturais nem causar danos ambientais. Pois se juntarmos este conceito à alimentação, surge o desafio de pensar a alimentação de forma sustentável, ou seja, que permita responder às necessidades do presente, sem que isso comprometa o que estiver disponível para as gerações futuras.

Em 2016, a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) apresentou cinco eixos a trabalhar no âmbito da sustentabilidade alimentar e agricultura: 1.º Melhorar a eficiência na utilização dos recursos; 2.º Ter uma ação direta para conservar, proteger e melhorar os recursos naturais; 3.º Proteger os meios rurais de subsistência e melhorar a equidade e o bem-estar social; 4.º Melhorar a resiliência das pessoas, comunidades e ecossistemas, especialmente as alterações climáticas e a volatilidade dos mercados; e 5.º Promover a boa governação para uma melhor sustentabilidade dos sistemas naturais e humanos.

Com inspiração nestes eixos a Associação Portuguesa dos Nutricionistas sugere 5 medidas para uma alimentação mais saudável e sustentável dos portugueses:

1º Sempre que possível compre a produtores locais

2º Prefira alimentos frescos, locais e da época

3º Tenha uma Alimentação Mediterrânica

4º Repense, Reduza, Reutilize e Recicle

5º Ajude a promover a Alimentação Saudável - Envolva-se

O Nutricionista, bem como os restantes profissionais da área da alimentação e da nutrição, assumem um papel preponderante na reflexão, discussão e decisão no que respeita a estes assuntos, com impacto direto na sustentabilidade alimentar.

Neste contexto, a Associação Portuguesa dos Nutricionistas prevê lançar em maio um programa de sensibilização e informação sobre sustentabilidade alimentar, de forma a consciencializar profissionais de saúde e população em geral para a importância de se colocar este conceito na ordem do dia das suas escolhas.

Em breve mais informações no site da APN

Presidente da Direção da Associação Portuguesa dos Nutricionistas

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.