Uma eleição ilusória

Eram quatro as grandes questões nesta segunda volta. A primeira, se os franceses seriam mobilizáveis contra a FN. Foram. Só que isso não mascara um facto: a FN teve ontem ainda mais votos do que Marine le Pen nas presidenciais de 2012. Não há, pois, qualquer razão para celebrar: se o sistema eleitoral restringe a sua ascensão institucional, ela parece imparável ao nível popular. Até ao dia em que implodir a direita tradicional e se consolidar no bipartidarismo sistémico. A segunda, que prestação teria Sarkozy, o homem que se propôs estancar a FN. Sobreviveu. Beneficiou de desistências socialistas mas não assistiu à hecatombe da esquerda. Pelo contrário, a gestão de danos do partido no poder foi satisfatória. Além disso, a máquina partidária não o quis ver nalgumas regiões, o que diz bem como estão as coisas nos republicanos: coladas com o cuspo do voto útil.

A terceira, que força teria o independentismo na Córsega. Pois bem, venceu. Se o separatismo não é de todo uma novidade, a sua popularidade nas urnas reforça a vaga na UE, criando mais uma frente de batalha num Estado membro, central e estrutural à coesão europeia como a França. Por fim, que popularidade manteria a mensagem xenófoba (da FN e dos republicanos) nas regiões onde as três figuras da FN tinham ganho na primeira volta: em Nord-Calais (Marine le Pen), na Provence (Marion le Pen) e na Alsácia (Florian Philippot). Foi avassaladora.

O que têm as três em comum? São fronteiriças com o Centro da Europa e entrada dos fluxos de imigração recente: a primeira com a Bélgica e o canal da Mancha, a segunda com Itália e a terceira com a Alemanha. Ou seja, a agenda radical amplifica-se à medida que a UE se delapida com a crise dos refugiados e teima em provar que é um fator benigno nas políticas nacionais. A má notícia é que tem tudo para piorar.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.