Trumpismo

Desvalorizar Trump é um erro crasso. Há quem não pronuncie o nome, quem reduza tudo ao penteado, ou o chame de louco apenas porque sim. Paradoxalmente, há aqui semelhanças com a estratégia de Trump: simplificar para fixar mensagem, ofender para marcar agenda, ser histriónico para amplificar o ódio que corre na América. Hillary percebeu que não pode ir na cantiga e tem exposto as contradições do republicano. Assim, eleva o debate e mostra o essencial do momento político: regressão nalgumas boas tradições republicanas (defesa do comércio livre, estabilidade das alianças, limites ao papel do Estado, solidariedades democráticas no exterior, respeito pelas liberdades) e o incendiar da coesão social, discurso político, relação com os militares e da intolerância num país de imigrantes. Vale a pena não cair no facilitismo analítico sobre Trump. Ele não é uma bizarria ou um produto de reality show. Dá, isso sim, corpo a uma extrapolação natural do discurso nacionalista que grassa na sociedade americana - com ecos em tantos outros países -, narrativa até que vários presidentes democratas e republicanos encarnaram no passado, mas cuja centralidade o GOP parecia ter posto de lado a partir de Reagan. Necessariamente, a política externa retoma protagonismo nesse contexto e se Hillary é rosto da geração internacionalista do pós--Guerra Fria, com Bill Clinton à cabeça, Trump recupera a interpretação ultrarrestrita do interesse nacional, por exemplo, de Andrew Jackson. Em rigor, estamos a falar de escolas diametralmente opostas, entre o voluntarismo global e o nacionalismo extremo, ambos erráticos e com efeitos em todo o mundo. Como em tudo na vida a sensatez está no meio e um dia far-se-á a justiça de atribuir o lugar a Obama. Foi ele quem, na história recente dos EUA, mais se aproximou da prudência.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.