Trump first

No dia em que celebra um ano, a administração Trump é protagonista do shutdown mais singular da história americana: nunca tinha acontecido tão cedo num mandato e jamais com um Congresso de maioria igual à da Casa Branca. De certa forma, os dois momentos retratam o primeiro ano presidencial.

Por um lado, tem sido uma celebração egocêntrica e narcisista por alguém que julga ter mudado a América de ponta a ponta e se assume como o responsável magnânimo dos indicadores económicos mais entusiasmantes. Vale a pena perder algum tempo aqui, até porque é um argumento que tem sido acriticamente difundido nos últimos tempos. Em primeiro lugar, a boa performance económica de 2017 não nasceu com a eleição de Trump nem a esta se deve. Depois da grave crise de 2008-2009, os EUA foram protagonizando uma recuperação sustentada do PIB e um decréscimo imparável do desemprego. O pico da criação da riqueza deu-se em 2015 (5%), mas na maior parte do segundo mandato de Obama estabilizou sempre entre esse valor e os 3%. O desemprego, em inícios de 2009, estava quase nos 11%, tendo caído sucessivamente desde então até aos 4,6% no final do mandato de Obama, valor que se vai mantendo. Mesmo os tão famigerados índices bolsistas estão numa curva sustentadamente ascendente desde 2010.

Ou seja, o clima económico positivo tem vários anos e foi capaz de, genericamente, inverter o negativismo dos picos da crise, o que não quer dizer que a distribuição da riqueza tenha sido brilhante e que não existam bolsas graves de pobreza espalhadas. Foi, aliás, entre esse eleitorado que Trump foi buscar a curta mas decisiva margem (80 mil votos) nos quatro estados da Rust Belt que lhe deram a vitória no Colégio Eleitoral (Wisconsin, Michigan, Pensilvânia e Ohio). Mas mais: esta performance de entusiasmo que continua no carril, com as sondagens a dar um nível de satisfação popular sobre o rumo da economia de 63%, deve-se muito mais aos alicerces naturais da cultura empresarial norte-americana e à maturidade das instituições do que a uma fórmula mágica trazida por Trump, dado que nada disso se reflete nos seus níveis de popularidade, hoje nos valores mais baixos de que há registo (36%). Nem mesmo a baixa dos impostos na proposta de orçamento tem nada de original: quando muito aproxima Trump de propostas clássicas republicanas, com a agravante de serem publicamente defendidas para amigos, indiferentes à classe média-baixa, e tecnicamente mal desenhadas.

Entretanto, o America first foi transformado em Trump first, mote que sempre correspondeu bem mais à verdadeira natureza do seu movimento do que traduziu uma propensão isolacionista nos modos clássicos do passado americano. Por outro lado, à disfuncionalidade crónica do Congresso - quase 20 paralisações dos serviços federais em 35 anos - é hoje acrescentado um conflito partidário de trincheiras culturais insanável. Mais: não há na dupla Trump-Pence nenhuma intenção de protagonizar uma deriva negociada e ponderada com as bancadas do Congresso, fazendo descer dessa forma os níveis de animosidade da política americana. Joe Biden, por exemplo, tinha esse papel depois de acumular anos de experiência no Senado e foi ele quem desbloqueou muitos nós no longo shutdown de 2013. Ou seja, à baixa popularidade do poder legislativo (sondagens dão valores constantes quatro vezes inferiores à do presidente) acrescenta-se um clima político entre os partidos e a Casa Branca nada saudável em democracia.

Dir-me-ão que isso não é novo e que durante os anos de Obama a atmosfera já existia. Estou de acordo, havia muito ressentimento político e identitário, com ambos os partidos incapazes de baixar o tom e até de fazer as pazes com a eleição de 2008. Mas também é verdade que a administração Obama tinha recursos e pessoas capazes de fazer as pontes necessárias, tinha válvulas de escape diplomáticas ao dispor e uma dupla na Casa Branca que dava os sinais negociais certos quando era preciso. Hoje, não há nada disto em carteira. Aliás, este é talvez o ponto que define este ano de Trump: o presidente mudou muito mais a Casa Branca do que mudou a América.

Nunca num tão curto espaço de tempo o círculo mais próximo de um presidente sofreu tantas deserções. O caos que se instalou no funcionamento da Casa Branca ao mais alto nível reflete uma lógica diametralmente oposta à anterior: se com Obama tivemos uma presidência sem casos, com Trump temos uma presidência de casos. Não falo só dos principais estrategas da campanha caídos em desgraça ou da anárquica comunicação feita por um rodopio de gente, a que acresce o ruído matinal do presidente, a cacofonia estratégica e o bluff de muitas medidas emblemáticas. Falo, sobretudo, do rasto de conluio com a Rússia ainda sob investigação, um exercício extremo que reflete o nível a que chegou a vulnerabilidade do Estado e a podridão dos partidos.

Por outras palavras, com exceção do chefe de gabinete, o general Kelly, e do conselheiro de segurança nacional, o também general McMaster, ninguém no topo hierárquico da Casa Branca se recomenda. Aliás, é também invulgar que um presidente se rodeie de tantos militares de prestígio em cargos-chave (acrescento o secretário da Defesa, general Mattis), um sinal claro da falta de recursos políticos qualificados e com sentido de Estado que o movimento Trump foi capaz de gerar, além de um apego excessivo à credibilidade militar para sobreviver no exigente interface constitucional americano. O resumo do ano é mesmo este: todas as aparentes forças de Trump não passam de uma imensidão de vulnerabilidades.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.