Tiros de partida

O seu a seu dono: o Iowa não é grande exemplo como farol das primárias. Em 2012, ganhou Rick Santorum, que desistiria em abril; em 2008, Huckabee venceu e um mês depois desistiu e John McCain ficou em quarto; em 1992, Bill Clinton, depois eleito presidente, teve 3%; em 1988, George Bush, que chegaria à Casa Branca, ficou em terceiro. Além disto, o Iowa tem um peso ínfimo entre os delegados eleitos para as convenções partidárias de julho. Por isso, a sua importância é apenas esta: oficializa o momentum dos candidatos no tiro de partida. E é a posição de cada um no debate político e a notoriedade em cada estado que irá ditar as verbas angariadas, indispensáveis em qualquer primária mas ainda mais importantes quando a competição é maior. O que acontece entre republicanos é que está tudo disperso. Trump tem o mediatismo e domina os termos do debate: antissistémico, populista, captando vários quadrantes. Cruz é uma espécie de reminiscência não circense e vai aqui e ali disputando a agenda Trump. Bush é o candidato do establishment e quem de mais fundos dispõe, mas o seu carisma é zero e a estratégia política nunca vingou. Rubio é um herdeiro de Bush na Florida e ainda não é visto como um vencedor. Tudo isto pode mudar a 1 março (14 primárias neste dia) e ganhar uma dinâmica diferente a partir daí. E ninguém sabe se Mike Bloomberg não pode vir baralhar as contas. No lado democrata, a pergunta é se Hillary pode repetir 2008: tão favorita que se viu ultrapassada pela velocidade de uma novidade. Duvido. Para além de Obama ser inimitável, Bernie Sanders tem pouca história no partido e uma agenda externa incipiente e isto, para a máquina reunida na convenção, conta. De qualquer forma, Sanders foi o melhor que aconteceu a Clinton: chegar impreparada ao pico da campanha em outubro é tudo o que não precisa.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.