Requintes de malvadez

A primeira frente de oposição e choque à decisão de Trump sobre tarifas à importação de aço e alumínio não veio da Comissão Europeia, da cidade do México ou de Otava, mas da bancada republicana do Congresso. O protecionismo e o unilateralismo comercial deste tipo de medidas não encaixam no código genético do GOP, historicamente mais sensível ao comércio livre do que os Democratas. Bob Corker, senador republicano pelo Tennessee, saiu a público para criticar a "errada abordagem ao comércio" e expor o que considera ser "um abuso de autoridade" presidencial. Outros senadores do mesmo partido, como Orrin Hatch (Utah) e Pat Toomey (Pensilvânia) viram a decisão como "um convite à retaliação" e uma fonte de custos incomportáveis para os consumidores. Todos estão a pensar de modo tipicamente americano: toda a política é local, e não seria a internacional a fugir à regra de ouro.

A imposição de tarifas bem pode contentar a base de indefectíveis de Trump espalhada pela América, sempre a salivar por murros na mesa e tiradas agressivas do seu presidente, mas não valerão de muito se a indústria não criar novos empregos nos Estados onde os efeitos colaterais da decisão mais se fizerem sentir. E não há nada que aponte para que estejam salvaguardados esses riscos, tendo em conta a porosidade da estratégia comercial americana e a cacofonia amadora dos seus protagonistas. Wilbur Ross, o secretário do Comércio, costuma apresentar-se nas reuniões com a comissária europeia Cecília Malmstrom sem nenhuma noção do que está em cima da mesa. Ou seja, a decisão comercial é potencialmente danosa à consolidação das maiorias republicanas no Congresso, a braços com uma eleição crucial em novembro, a qual definirá os termos da governabilidade da administração Trump até ao final do mandato.

Se na prática é altamente discutível o mérito interno da opção tomada, no plano internacional a metodologia é, também, merecedora de crítica. Vergar os aliados mais próximos dos EUA para obter coercivamente concessões destes à mesa das negociações não garante nem este objetivo - a ver pelas retaliações anunciadas do México, Canadá e UE - nem que os três passem a seguir uma liderança de Washington que ponha, com outra força, a China a cumprir critérios básicos de reciprocidade económica e comercial, ou alguns dos padrões que a pertença à OMC exige. Se a estratégia de Trump era a de alargar a frente anti-China, duvido que seja pela via do pânico comercial aplicado aos aliados que o conseguirá. Ou seja, politicamente a decisão é também danosa das alianças dos EUA e que tanto têm acautelado a sua longa proeminência na ordem internacional no último meio século.

Mas, como já percebemos, nada disto tira o sono à administração Trump. É aqui que o timing assume requintes de malvadez sobre o sensível momento europeu. A primeira consequência das tarifas será a demonstração ou não da capacidade política da Comissão Europeia em responder à altura do problema, dado ser a política comercial uma reserva exclusiva sua. A pressão é enorme e os riscos também: globalmente, as economias dos EUA e da UE valem sensivelmente o mesmo, sendo também os dois espaços regionais mais interdependentes em termos de exportações, importações, investimento direto e empregos. Se a indústria automóvel alemã for afetada com estrondo, como parece ser o objetivo americano, podemos ter Berlim perpetuamente ensimesmada com essa frente interna e alheada das reformas que o euro precisa para se blindar dos eventuais efeitos de uma nova crise, desta feita com epicentro em Roma e não em Atenas. Ou, se quisermos, com epicentro em Roma e efeito de contaminação não só em Atenas mas em Paris, Madrid ou Lisboa.

É aqui que surge o segundo teste às tarifas americanas: que resposta dará o eixo Paris-Berlim. Mais: se faz sentido continuar a falar na sua existência. Este não é um dilema qualquer. Macron tenderá a pressionar ainda mais Berlim para obter as respostas que ainda não teve ao roteiro que apresentou para a zona euro. Para tal, acenará com catastrofismos italianos, espanhóis, proteccionismo americano e com a senhora Le Pen a espreitar o próximo ciclo eleitoral que se inicia já nas europeias de 2019. Se terá a atenção de Merkel é outra questão. Que precisa dela como até agora não teve, parece-me cada vez mais imprescindível ao sucesso da sua presidência. Ou seja, uma nova crise do euro centrada em Itália e o fracasso do consulado Macron têm tudo para encurtar o tempo da grande coligação alemã e abrir o espaço que Le Pen precisa para atacar, outra vez, o Eliseu. Nessa altura, não tenhamos dúvidas: addio, adieu, auf wiedesehen, goodbye União Europeia.

O espectro do desmembramento da UE não pode ser desvalorizado. Este alarmismo não é um exercício retórico, desprovido de matéria-prima, mas um alerta que deve fazer tocar campainhas onde a responsabilidade é máxima: nos Estados membros que assumiram a integração europeia como código genético na consolidação das suas democracias; e partidos políticos que ao longo de décadas foram estabilizando uma ampla maioria social pró-europeia. O problema é que os primeiros atuam envergonhadamente e os segundos estão cristalizados ou, em vários países, em processo de extinção. Em último caso, poderemos ter de enfrentar, sem coesão comunitária à altura, novas crises simultâneas com uma probabilidade elevada de as gerirmos, à escala europeia, de forma insuficiente, impreparada e até danosa. Esse será um novo momento-limite da história europeia. Noutros com igual dramatismo pudemos contar com os Estados Unidos como uma autêntica grande potência europeia. Trump mostra que com ele isso não acontecerá.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.