Pretexto sagrado

Se a Arábia Saudita quisesse melhorar a relação com o Irão evitava colocar no poço da morte um carismático clérigo xiita junto a uns quantos sunitas acusados de terrorismo. Se o Irão quisesse esfriar a rivalidade com a Arábia Saudita tinha evitado assumir-se como fiel protetor desse clérigo saudita e enviar a Riade declarações vingativas. A verdade é que nenhum dos lados procura qualquer apaziguamento, cooperação institucional ou tréguas nas várias guerras regionais por procuração. O que a Casa Saud mais quer é provar a sua força através de uma total inflexibilidade com narrativas subversivas dentro do seu território, independentemente do seu cunho violento (a do clérigo xiita Nimr al--Nimr não era). O que o novo monarca saudita procura é consolidar a sua posição interna e de farol do sunismo absoluto no Médio Oriente, não dando espaço a outras interpretações que desviem o centro da gravidade teológica (e política) de Riade. Mas para que estes dois objetivos prossigam, a Arábia Saudita precisa de garantir três dinâmicas cruciais. Primeiro, recuperar a centralidade na geopolítica energética perdida recentemente para a revolução americana do gás e do petróleo de xisto. Segundo, defender as coutadas de poder inviabilizando tréguas ou negociações de paz na Síria, no Iémen ou no Bahrein. Terceiro, pôr o Irão debaixo do fogo total sunita, obrigando-o a responder errática e nervosamente, deixando Washington num dilema: manter a aliança com Riade ou salvaguardar os passos de aproximação ao Irão para monitorizar de perto a sua ascensão regional. Neste quadro, Israel, Turquia, Líbano, Egito e Iraque vão ser obrigados a desenhar alinhamentos flutuantes ou reforçar trincheiras. É provável que tudo piore, a começar na Síria e a acabar no Iémen. A morte de Nimr foi apenas o pretexto sagrado para propagar a sangrenta guerra dentro do Islão.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.