Portugal e o brexit

A relação com a UE tem estado sempre no centro da política britânica desde a adesão em 1973. Nenhum líder trabalhista ou conservador deixou de fazer campanha sobre os malefícios e virtudes da integração europeia, o que se alterou foi a força da narrativa popular anti-Bruxelas num tempo em que a Europa voltou a confrontar-se com a mistura explosiva entre anemia económica, desemprego, intolerância e populismo. David Cameron sabe que podia negociar os pontos de honra britânicos nas capitais europeias sem recorrer a um referendo in-out marcado para 2017. Podia, mas não era a mesma coisa.

Desta forma, pode tirar o máximo partido negocial do cenário de desagregação comunitária inspirado na possível saída do Reino Unido. Tática e ideologicamente faz sentido, mas o risco mais uma vez é grande. Por duas razões: primeiro, dificilmente existem alternativas económicas e estratégicas à UE, o que releva a hecatombe do brexit na economia real britânica e nalguns importantes parceiros (Irlanda, França, Alemanha, Bélgica e Portugal); segundo, porque acrescenta um atrito potencialmente mimetizado por outros numa altura em que os nacionalismos estão ao virar da esquina.

Portugal devia acompanhar isto de outra maneira se tivesse uma política europeia digna do nome e pautasse a sua voz por decibéis audíveis no concerto comunitário. O Reino Unido é o nosso quarto maior cliente, o nosso sexto principal fornecedor, está no top 5 do nosso turismo e temos 2400 empresas a exportar para lá. É um aliado atlantista, pró-TTIP, um dos grandes financiadores do orçamento comunitário, uma potência nuclear, a quinta economia global, um baluarte financeiro, da democracia liberal e do mercado único. A UE, sem o Reino Unido, é um objeto político ainda mais indecifrável e ficará mais fraca, desagregada e ingovernável. Não há como escapar ao pessimismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.