Perseguições

As purgas de Erdogan são não apenas recorrentes como convergem no seu objetivo maior: coroar-se rei e senhor da Turquia na celebração do centenário da República fundada por Atatürk. Se, em 2023, o aparelho político, empresarial, informativo, securitário e militar não tiver mais brechas capazes de orquestrar golpes amadores como o de há dias, então Erdogan terá refundado a República à sua imagem. Ficar surpreendido com o estilo e a arte desta purga é como abrir a boca de espanto com o racismo na América ou as cavalgadas de Putin na Ucrânia. Estava lá tudo: bastou explorar a janela aberta.

A questão fundamental não está, por isso, nos factos, mas na escolha deste rumo. Vale a pena recuar a março de 2003, quando Erdogan chega à chefia do governo. Estávamos na ressaca do 11 de Setembro, com a guerra do Afeganistão em curso e no mês da invasão do Iraque. Ter um país da NATO capaz de instituir uma "democracia islâmica progressista" focada na adesão à UE era o melhor modelo num Grande Médio Oriente que sobretudo Washington queria ver revolucionado. A performance económica da Turquia nos anos seguintes e a estabilidade política que davam as maiorias do AKP, entusiasmaram um Ocidente que também ia desvalorizando os atropelos às liberdades e ao desrespeito pela separação de poderes.

A Turquia era essencial à estratégia "fora de área" da NATO, membro do G20, e uma democracia islâmica imponente. Até que o caos no Iraque passou para a Síria e o desastre das "primaveras árabes" expôs os limites do triunfalismo de Erdogan. A rutura com Gulen, em 2013, encerrou uma década de glória, no pico dos protestos em Istambul e Ancara. Sem horizonte de adesão à UE e cercada por insegurança, a paranóia tomou conta do regime. Desvalorizar a inversão democrática da Turquia foi um erro estratégico do Ocidente e uma enorme oportunidade perdida. O resultado está à vista.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.