Outros tons da Europa

Parece que foi há uma eternidade que um filho de refugiados russos foi eleito presidente da Áustria, ainda por cima com um percurso nos Verdes e não num dos principais partidos. Na altura mereceu uma atenção mediática superior à importância que o cargo encerra, com um ângulo preferencial de análise pelo que conseguiu fazer à extrema-direita: derrotá-la, travando a sua ascensão onde ela tenha de acontecer. No fundo, o olhar sobre Alexander van der Bellen não vinha do facto de ser de uma esquerda considerada meio perdida no meio da evolução das esquerdas europeias das últimas duas, três décadas, sobretudo entre partidos socialistas e sociais-democratas, mas porque era o opositor do candidato nacionalista. O epílogo provou o raciocínio: meio mundo respirou de alívio, mas perdeu pouco tempo com o vencedor. E sobretudo com as transformações que essa tal esquerda meio perdida das últimas décadas está a atravessar.

O caso dos Verdes é um dos mais interessantes e ao mesmo tempo o mais desvalorizado. Na Alemanha, por exemplo, estiveram no governo entre 1998 e 2005, até Merkel vencer a primeira eleição. Durante esse período tiveram pastas como os Negócios Estrangeiros, Transportes, Agricultura, Proteção do Consumidor e Ambiente, reforçando assim os temas mais fortes da sua agenda ao mesmo tempo que ganhavam estatuto na dimensão externa, com particular relevância para o federalismo europeu de Joschka Fischer e o ceticismo quanto ao envolvimento das forças armadas alemãs no exterior durante as guerras no Kosovo e no Afeganistão.

De qualquer forma, mesmo não fazendo parte de nenhuma das coligações lideradas por Angela Merkel, os Verdes estão hoje coligados em 11 dos 16 governos estaduais alemães, sendo mesmo o partido mais votado no Baden--Wurttemberg, o terceiro mais populoso do país. É verdade que em oito desses lander a coligação é feita à esquerda, sobretudo com o SPD, mas há também dois casos em que a CDU é parceira e um em que tanto a CDU como o SPD são aliados, o que mostra algum pragmatismo em detrimento de uma excessiva cultura ideológica sem espaço para o compromisso. As sondagens estabilizaram os Verdes nos 7%/8%, praticamente iguais ao Die Linke e à AfD. Bem sei que não é muito comum prepararmos cenários políticos nesta Europa habituada a correr atrás dos factos consumados, mas valia a pena pensar que uma vitória de Martin Schulz pode não perpetuar a "grande coligação", mas sim reavivar a fórmula em curso em tantos estados alemães, incluindo até o Die Linke.

Preparar um cenário não é o mesmo que apostar todas as fichas nesse desfecho, significa apenas que governos, empresários, investidores e analistas, que naturalmente colocam a Alemanha no epicentro das políticas europeias, devem começar já a avaliar as consequências de um executivo como aquele. Defenderá outra flexibilidade para os devedores da zona euro? Acelerará os círculos de integração num federalismo voluntarista e sem rede democrática que o suporte? Quererá uma defesa europeia robusta e com capital político reforçado, ou antes a recuperação de um modelo de segurança normativa tão em voga na década de 1990? Confundirá a um extremo irrecuperável a relação com Donald Trump e a relação com os EUA? E sobre a política de asilo e imigração comuns, será uma prioridade numa nova influência de Berlim na Europa ou foi até aqui uma mera bandeira política de algibeira? E o mercado único energético é uma primazia? E o que fará para que seja exequível a curto prazo? E a defesa de um desenvolvimento urbano sustentável é um padrão-modelo civilizacional na primeira linha das políticas públicas europeias, ou uma mera premissa oca para contentar eleitores descontentes com a ausência de agenda por parte de muitos partidos sociais-democratas? O caso da influência dos Verdes na Alemanha merecia até um acompanhamento próximo sobre o que têm feito nos governos locais. A transposição dessa postura para uma política de Estado e, necessariamente, europeia justifica essa atenção. Há vida para lá do simplismo agressivo dos nacionalistas.

É dentro da esfera cosmopolita, enquanto contraponto a uma internacional nacionalista, que o eleitor dos Verdes se posiciona: preferencialmente abaixo dos 35 anos, maioritariamente feminino, com educação superior, aberto ao mundo e aos fluxos migratórios, com uma consciência ecológica acentuada mas não necessariamente oposta a uma globalização mais institucionalizada, partidário de um federalismo europeu com uma expressiva legitimidade democrática, liberal nos costumes mas defensor de impostos altos que sustentem uma presença forte do Estado nas várias políticas públicas. Se persistir a erosão de alguns partidos sociais-democratas, cristalizados por desadequação programática, enredados por caciquismo e corrupção, quais marcas gastas da política tradicional, então pode haver espaço para o regresso do cosmopolitismo ecológico, chamemos-lhe assim, como lugar mais interessante aos novos eleitores.

Não quero com este raciocínio atribuir uma relevância absurda ao que os Verdes têm hoje, afinal de contas estão apenas em coligações de governo na Suécia e no Luxemburgo. O meu ponto é de acompanhamento para não nos surpreendermos com a eleição de um presidente na Áustria ou a chegada a um governo alemão ou holandês, cenários que não são improváveis. A tecnologia, a bulimia energética e a necessidade de manter as economias a carburar estão a mudar as agendas políticas por todo o mundo, numa globalização das ideias que vai deixar partidos para trás, outros à tona e espaço aos demais. À esquerda e à direita há quem esteja a perceber isto e não é necessariamente quem costuma abrir os noticiários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.