Os meninos à volta da fogueira

Éoficial: ninguém sabe o que fazer com o brexit. Em Inglaterra, Boris Johnson já começou a gerir expectativas e danos. Em Bruxelas, Schulz e Juncker, como é hábito, disseram o primeiro disparate que lhes veio à cabeça. Do que a UE precisa é ganhar algum tempo e não decidir sobre precipitação retaliatória, como quer Juncker, que se prepara para vergar à humilhação um David Cameron que já não participará no segundo dia do Conselho Europeu que hoje começa. Merkel foi a única que acalmou a histeria, consciente do duplo problema que o brexit acarreta para a Alemanha: regras pesadas sobre as exportações para o Reino Unido e um fardo ainda mais incomportável ao momento unipolar alemão na Europa. Ao contrário do que muitos dizem, a Alemanha é muito mais um líder relutante - e por isso mais errático nas decisões - do que um assumido e determinado condutor dos destinos da UE. Um brexit apressado e irreversível aumentaria ainda mais o peso dos destinos europeus sobre os ombros da Alemanha, concentrando excessivamente, para o bem e para o mal, decisões vitais à continuidade da UE. Voltemos ao início. Boris Johnson está em contenção de danos. Afinal quer tudo como está à exceção da jurisdição do Tribunal Europeu de Justiça, do controlo da imigração e do financiamento ao orçamento comunitário. Se era para isto, não precisava de nenhum referendo, bastava negociar mais e melhor do que qualquer primeiro-ministro fez até agora em Bruxelas para conseguir aprofundar o hiperexcecionalismo do Reino Unido na UE. O que Boris Johnson quis foi usar o referendo para assaltar a liderança dos conservadores. Nada mais do que isto. O que o partido devia fazer era derrotá-lo na convenção de outubro e terminar o seu aventureirismo infantil. Para isso, Berlim e Bruxelas precisam de dar tempo a Londres e evitar tiradas despropositadas. Para criancices já temos o Boris.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.