O tempo e o modo

O levantamento das sanções económicas ao Irão é um bom exemplo do que pode ser conseguido se o tempo e o modo forem bem conjugados na diplomacia. O Irão tem vindo numa asfixia financeira. O PIB contraiu 9% entre 2012 e 2014, o desemprego jovem bateu nos 30%, o congelamento sobre os proveitos da exportação petrolífera atingiu os 150 mil milhões de dólares num setor que vale 80% do total das exportações, a moeda caiu 56%, a inflação chegou aos 40%, e a indústria automóvel teve uma quebra de 40% na produção. Num país com tanto potencial geoestratégico (pelo estreito de Ormuz passa 35% do tráfego petrolífero mundial feito por mar), energético (4.ªs maiores reservas de petróleo e 2.ªs de gás mundiais), comercial (80 milhões de consumidores) e humano (65% da população tem menos de 35 anos), todo o complexo edifício político iraniano precisava de inverter o declínio financeiro e coincidir a importância regional com o regresso à normalização externa, exigência feita pela imensa maioria jovem urbana que execrava o estatuto de pária. O Irão tem legislativas daqui a mês e meio. Só que nem tudo o que reluz é ouro e os ganhos do acordo são, à partida, maiores para o Ocidente. Primeiro, porque o barril a 30 dólares não permite nenhuma reentrada de leão nas exportações petrolíferas, antes exige um modelo económico mais diversificado e demorado. Segundo, porque o acordo prevê a reativação das sanções em caso de incumprimento de Teerão. Terceiro, porque o desmantelamento das centrifugadoras e a redução do enriquecimento de urânio limitam as alternativas ao petróleo. Por fim, porque para ser decisivo na Síria, Iraque e Iémen, o Irão precisa de robustez económica, porta que o acordo entreabre mas não garante. Se Riade está enciumada com a aproximação entre Teerão e Washington, Telavive devia saudar o acordo. É melhor ter o Irão debaixo de olho do que à solta.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.