O pleno de Hillary

O grande vencedor da "superterça-feira" republicana e democrata chama-se Hillary Clinton. No seu partido confirmou a importância do voto negro e latino na plataforma de vitória onde era preciso, ou seja, nos estados onde mais delegados estavam em disputa. É preciso olhar para as primárias americanas como elas são: o relevante não é o número de estados que se vence mas a quantidade de delegados que se conquista, determinantes na nomeação às presidenciais feita na convenção nacional. Por isso, a aritmética do "Sanders venceu em quatro e Hillary em sete" é irrelevante. Se Sanders tivesse vencido nos quatro com mais delegados para repartir teria de ser visto como o vitorioso. Isso não aconteceu. Clinton descolou como se esperava e é provável que obrigue o velho Bernie a reconhecer o fim da linha, quando Florida, Ohio, Illinois e Carolina do Norte forem a jogo no dia 15. A tarefa de Hillary passará então por acomodar o eleitorado de Sanders, cortejando o seu endosso público e afinando uma agenda que volte a galvanizar a grande coligação que suportou Obama: jovens, mulheres, minorias e creative class. O mesmo exercício deve prevalecer para os republicanos. Trump venceu mais estados e delegados, mas a sua distribuição proporcional deve alertar-nos para dois factos: vencer não significa ter grande folga em delegados (Vermont ou Virginia) e, em conjunto, Ted Cruz e Marco Rubio têm até agora mais delegados a seu lado do que Trump. Isto pode levar o GOP, mergulhado já numa autoflagelação de ódios contra Trump (e até contra Cruz), a cavar ainda mais essas feridas, levando o aparelho a um antitrumpismo tal que impossibilite Trump de ir à convenção com delegados necessários à nomeação. Para isto precisa que Rubio vença no dia 15 na Florida, Ohio, Illinois e Missouri e leve os 286 delegados consigo, o que parece impossível. Clinton vai assistir ao filme de camarote.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.