O dia D da minha geração

O longo debate entre Macron e Le Pen consolidou o perfil presidenciável do primeiro, expôs as inconsistências das propostas da segunda, mas não fechou as contas das presidenciais. A boa notícia é que a juventude de Macron foi capaz de provar como se derrotam anos e anos de experiência populista: com coragem argumentativa, olhos nos olhos, pelos méritos do seu programa e pela desmontagem da agenda simplista contrária. Foi preciso aparecer um imberbe político de 39 anos para mostrar como se faz aos veteranos temerários moderados que pairam na política europeia. A experiência da guerra, da expansão comunista e de outras ditaduras não lhes chegou para se baterem com todas as forças contra a ameaça de um retrocesso civilizacional em curso? Teve que aparecer alguém sem vivência desses infernos para colocar o debate no sítio certo e esgrimir um argumentário pela defesa inegociável das democracias liberais e pluralistas? Que lição, meus senhores. É por estas e por outras que quando alguém quer despontar para a política ou defender a União Europeia pelo que nos trouxe de positivo, e só vê à volta vencidos da vida transformados em oráculos dos comunicados políticos, dá meia volta e segue a sua vidinha. Do que a Europa precisa é de mais Macrons, Renzis, David Milibands, Albert Riveras e Jesse Klavers, não é de Junckers, Corbyns, Berlusconis, Sarkozys, Hollandes e demais personagens que estão bem é em museus de cera.

Voltemos ao debate. Muitos dos desesperados que aderem à falange de Le Pen por pura emoção política continuam a precisar de soluções realistas, um caminho para os seus filhos e netos, uma ideia de França para o futuro e não um regresso ao passado que só volta mesmo sob a forma de tragédia. Le Pen tem-lhes vendido o céu, mas é preciso dizer-lhes que o que lhes trará é o inferno. Assim, desfazer a unidade do bloco nacionalista é uma tarefa impressionante, mas não é impossível se Le Pen (e correligionários europeus) escorregar permanentemente nela própria, for encostada à parede no debate público e muitos chegarem à simples conclusão de que a sua agenda é de pura negação, não constrói nada exequível nem sustentado no tempo. De qualquer forma, o objetivo de Macron não era conquistar eleitores à Frente Nacional, quando muito apenas deslaçar a sua coesão.

É provável que não atinja o objetivo esta noite, mas lançou a fórmula para o patamar seguinte: as legislativas de Junho. Porquê? Se Macron chegar ao Eliseu precisa de o fazer com uma vitória que valide a tendência estabilizada nas sondagens que lhe têm dado 60% no mínimo. Abaixo disto é um balde de água fria e pode ter impacto a dois níveis: uma presidência assente numa frente republicana anti-Le Pen com força política abaixo da expectativa e muito longe do resultado de Jacques Chirac contra Jean-Marie Le Pen (82%, em 2002); alguma desmotivação dentro do movimento En Marche para enfrentar, com êxito, as legislativas. Para já, as sondagens dão-lhe um resultado excelente para junho, tal como aos Republicanos, o que conduz este diálogo entre a novidade e a tradição do centro-direita à possível chave da governabilidade de França e dos termos do seu papel na integração europeia pós--brexit. Por outras palavras, o debate de quarta-feira contribuiu para estabilizar as intenções de voto em Macron, dar-lhe projeção programática para as legislativas e estabelecer as pontes necessárias com a direita de François Fillon. A amplitude da influência de Macron na governação só ficará ditada pelo resultado de hoje e pela dinâmica que criar para junho. Vamos, por isso, por passos, e o primeiro é esperar pelo voto dos franceses.

Até lá, abro o cenário oposto. Se houver uma reviravolta que dê a vitória a Le Pen (abstenção maciça, maioria dos órfãos de Fillon e Mélenchon com ela, desmobilização da base En Marche e da anti-Le Pen após a libertação de milhares de e-mails sobre Macron), a bolsa vai cair a pique, a fuga de capitais atingirá um pico histórico, as instituições europeias e vários governos europeus reunirão de emergência, o euro terá o cutelo na garganta e o espectro da ingovernabilidade reinará em França. Não é preciso lembrar a total vulnerabilidade financeira que se abaterá sobre Portugal, Itália, Espanha e Grécia, nem a falta de rede na zona euro para enfrentar um turbilhão destes. A motivação da falange nacionalista subirá exponencialmente para as legislativas e aquilo que parecia ser um quadro de alguma estabilidade política torna-se num sufoco institucional. A coabitação será um bloqueio permanente no Estado e nas instituições, a rua dará sinal de si e os terroristas aproveitarão as brechas numa vulnerável segurança nacional. Ao contrário do que vende Le Pen, uma presidência sua só torna a França e a Europa mais insegura e pobre.

A prova disto é o ciberataque cirúrgico contra Macron a 48 horas da ida às urnas. Não é que toda a gente não estivesse alertada, tendo em conta o que aconteceu na campanha americana e o alarmismo das autoridades alemãs na antecâmara das legislativas de setembro, sinais seguidos ao segundo aqui em Paris, como ontem me diziam várias pessoas ligadas à comunidade que faz a política externa e de defesa francesas. O que tudo isto nos diz é que a marcha cibernética russa, já para não falar no apoio financeiro e político à FN, continua a grassar nas democracias ocidentais com o objetivo de consolidar um eixo nacionalista anti-UE. Além disso, hoje temos Trump a elogiar Farage, Erdogan, Le Pen e Duterte. Putin a tentar alterar a dinâmica eleitoral em Washington, Paris e Berlim. Temos menos Londres na Europa e Berlim a mais. Se ficarmos sem Paris, será o fim deste Ocidente liberal, plural, normativo e democrático. É tão-somente isto que está em causa hoje.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.