O anjo negro

Quem se espanta com os resultados da primeira volta destas regionais francesas, tem andado desatento. O partido de Le Pen foi progressivamente conquistando eleitores desde as regionais de 2010 (2,2 milhões) até ontem (6 milhões), com um pico nas presidenciais de 2012 (6,4 milhões) a demonstrar que a sua figura vale mais do que o seu partido. Também aqui não surpreende: o sistema eleitoral tem sido montado para limitar a tradução direta entre eleitores e mandatos da Frente Nacional e proteger os dois partidos sistémicos. Acontece que a implantação da FN (à esquerda e à direita) apenas tem mascarado e adiado a chegada às portas do poder. Pode até acontecer que haja uma união antifrentista e limitar-se assim o choque, mas as últimas regionais dizem-nos que as perdas de eleitores da FN de uma ronda para a outra não foram assim tão maciças quanto isso. Por outras palavras, o enraizamento popular deste partido antissistémico colocou-o no centro do debate político em todos os níveis do aparelho de Estado e isso é a maior vitória de Marine le Pen. O seu plano sempre foi de longo prazo. É verdade que liderar regiões dá acesso a dinheiro e à administração de algumas dimensões do dia-a-dia francês. No entanto, a FN não tem grande experiência executiva e pode desiludir eleitores até 2017. É aqui que entra Sarkozy, cujo partido pode já beneficiar do voto útil na segunda volta e ganhar a dinâmica necessária até às presidenciais, mostrando-se como o único capaz de travar a chegada de Le Pen ao Eliseu. Todos os cenários são maus, dado que nenhum reforma a França, mas há um pior que todos: ter uma acólita de Putin em Paris (a juntar a outros que gravitam na Europa) não é o anúncio de uma outra UE: é descerrar a sua lápide. E dificilmente as democracias europeias sobrevivem sem a União. A começar por Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.