Mike Pence, o ventríloquo

O autor moral da declaração feita pelo presidente Trump não foi, curiosamente, o próprio, que à moral deve pouco. Um pouco mais recuado, com o semblante do costume, como se não fosse nada com ele, estava o vice-presidente Mike Pence, o republicano que nas últimas décadas mais rapidamente saiu do anonimato para uma posição de comando da política nacional e internacional. Idolatrado pelo eleitorado evangélico, Pence tem feito o seu caminho com discrição, surgindo muitas vezes como o anjo ponderado do ticket presidencial em comparação com o destemperamento visceral do senhor Trump. Tem escapado com mestria a todos os casos que diariamente têm assolado diversos membros do círculo próximo do presidente, causando várias demissões e acelerando uma cada vez mais evidente exposição a conflitos de interesses. Pence é o rosto sereno de uma guerra cultural em curso sem precisar de sujar as mãos. Se Trump necessita dele ao lado para uma demonstração de solidez junto da base eleitoral que até agora não desmobilizou, Pence lá vai acenando com a cabeça quando é chamado a ficar imediatamente atrás do chefe para não levantar qualquer perceção de traição. Assim chegámos à polémica declaração sobre Jerusalém: todos os holofotes em Trump, nenhum comentário sobre Pence.

Têm razão aqueles que dizem não ser inédito que um presidente americano manifeste publicamente a sua posição sobre o estatuto de Jerusalém, beneficiando Israel como único titular da Cidade Santa. Obama, por exemplo, chegou a admiti-lo. No entanto, há uma pequena grande diferença entre uma tomada de posição individual - seja ou não no calor de uma campanha eleitoral - e vinculá-la a uma posição de Estado por meio de uma decisão política. Essa linha, como sabemos, Obama nunca a ultrapassou. E o facto de existir uma resolução do Congresso de 1995 sobre o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, tal não significa que o presidente esteja vinculado a esse instrumento jurídico-político. Não está. Há inúmeras resoluções do Congresso sobre o alargamento da NATO à Geórgia, por exemplo, e não é por isso que os EUA tomaram qualquer decisão em sede do Conselho do Atlântico Norte.

O mesmo aconteceu quando o Congresso americano passou em 1998 - com unanimidade no Senado e apenas 38 votos contra na Câmara dos Representantes - o Iraq Liberation Act, que não só previa assistência financeira direta à oposição a Saddam Hussein como a mudança de regime no Iraque. E não estou só a falar de um ato legislativo, mas de uma promulgação do presidente Clinton. Não será das memórias mais frescas do seu mandato, mas a verdade é que o Iraque foi bombardeado (sem resoluções da ONU) em quatro momentos distintos no espaço de cinco anos (1993-1998). No entanto, sabiamente, Bill Clinton nunca se atreveu a derrubar Saddam, correndo assim o risco de gerar um vazio, seguido de um caos, alimentado por um conflito tribal que iria atrair jihadistas do mundo inteiro. Por outras palavras, há uma distância entre posições pessoais, enquadramento legislativo e decisões vinculativas do Estado.

O que Trump aparentemente fez foi ligar estes três pontos. Primeiro, a crescente defesa das posições do governo de Israel por parte dos eleitores evangélicos - em contraste com a subida do ceticismo entre muitos eleitores judeus norte-americanos -, sendo Mike Pence o líder dessa fação política interna. Segundo, repescar enquadramento legal. Terceiro, tomar uma decisão presidencial vinculativa. Só que neste caso o aparentemente tem algum sentido, dado que o secretário de Estado Tillerson teve de vir a terreiro pôr água na fervura sobre o timing e o modo da aplicação dessa medida. Ou seja, para o que interessa a Trump e a Pence, o objetivo foi alcançado: promessa cumprida, defesa acérrima de Israel, demonstração de autoridade internacional sem olhar a terceiros, continuar a forçar uma guerra cultural de barricada em que o cerco "progressista" arregimenta e alimenta uma base interna de milhões de indefetíveis para quem a popularidade dos EUA lá fora é irrelevante, muito menos perante muçulmanos. Nesta lógica, Jerusalém foi meramente instrumental para a Casa Branca.

O que consegue Pence com isto? Desde logo, uma desvalorização da diplomacia e do papel de Tillerson. No fundo, Pence é, na prática, o secretário de Estado em exercício. Além disso, consolida o seu estatuto de comandante numa administração que vive e fala para os seus, como ficou provado na proposta de orçamento federal. Para Trump, é preferível ter Pence consigo do que contra si. Por fim, no roteiro de distinção face ao passado recente, forçar iniciativas que invertam com estrondo mediático a postura de anteriores administrações é bem-visto entre os que elegeram Trump apenas e só para isso. Nenhum deles está preocupado com intifadas ou ruturas diplomáticas. O que querem é ver a América dar murros na mesa quando assim entende e defender causas próximas do nacionalismo identitário. Mais uma vez, Jerusalém foi instrumental nesta estratégia. Até porque a investigação sobre a intromissão russa na vitória de Trump começa a chegar aos seus calcanhares, ainda por cima à entrada de mais um ano eleitoral para o Congresso. E assim se lança mais um jato de gasolina num Médio Oriente em chamas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".

Premium

António Araújo

Virgínia, a primeira jornalista portuguesa

Estranha-se o seu esquecimento. É que ela foi, sem tirar nem pôr, a primeira jornalista portuguesa, a primeira mulher que exerceu a profissão de repórter nos moldes que hoje conhecemos. Tem o seu nome nas ruas de algumas localidades (em Lisboa, no bairro de Caselas), mas, segundo sei, não é sequer recordada pela toponímia da sua terra natal, Elvas, onde veio ao mundo às cinco da madrugada do dia 28 de Dezembro de 1882. Seu pai era oficial de Cavalaria, sua mãe doméstica (e também natural de Elvas), seus irmãos militares de fortes convicções republicanas; um deles, Carlos Alberto, chegou a estar na Rotunda em Outubro de 1910 e a combater as tropas de Couceiro por bandas de Trás-os-Montes.

Premium

Marisa Matias

É ouro, senhores

Chegar à União Europeia não é igual para toda a gente, já se sabe. Em vários países da União Europeia - treze mais em concreto - ter dinheiro é condição de porta aberta. Já se o assunto for fugir à morte ou procurar trabalho, a conversa é bem diferente. O caso a que me refiro é o dos vistos gold. Portugal integra a lista de países com práticas mais questionáveis a este respeito. Não sou eu quem o diz, os dados vêm do Consórcio Global Anticorrupção e da Transparency International.

Premium

Germano Almeida

Parlamentares

A notícia segundo a qual dois deputados nacionais ultrapassaram a fase dos insultos verbais e entraram em desforço físico junto ou dentro do edifício do Parlamento correu as ilhas e também pelo menos a parte da diáspora onde chegam as nossas emissões, porque não só a Rádio Nacional proporcionou ao facto abundante cobertura, como também a televisão lhe dedicou largos 22 minutos de tempo de antena, ouvindo não só os contendores como também as eventuais testemunhas da lide, e por fim um jurista, que, de código em punho, esmiuçou a diferença entre uma briga e uma agressão pura e simples, para concluir que no caso em apreço mais parecia ter havido uma agressão de um deputado a outro, na medida em que tudo levava a crer ter havido um único murro. Porém, tão bem aplicado e com tanta ciência, que não houve mais nada a fazer senão conduzir o espancado ao hospital para os devidos curativos. E para comprovar a veracidade do incidente mostrou, junto a uma parede, uma mancha de sangue que por sinal mais fazia lembrar o local onde uma galinha poderia ter sido decapitada.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Desta vez Trump tem razão

A construção de uma Europa unida como espaço de paz, liberdade, justiça e prosperidade sustentável foi o maior projeto político da geração a que pertenço. É impossível não confessar a imensa tristeza que me invade ao observar mês após mês, ano após ano, como se caminha para aquele grau de exaustão e fadiga que faz pressentir a dissolução final. O que une, hoje, a Europa é a mais elementar pulsão de vida, o instinto de autossobrevivência. Não dos seus governantes, mas dos seus mais humildes cidadãos. O tumultuoso Brexit mostra bem como é difícil, mesmo para um grande país com soberania monetária, descoser as malhas urdidas ao longo de tantas décadas. Agora imagine-se a tragédia que seria o colapso da união monetária para os 19 países que dela participam. A zona euro sofreria um empobrecimento e uma destruição de riqueza exponenciais, como se uma guerra invisível, sem mortos nem ruínas, nos tivesse atingido. Estamos nisto há dez anos. Os atos políticos levados a cabo desde 2008, nada mudaram na gravidade dos problemas, apenas adiaram o desfecho previsível. Existe uma alternativa minimalista ao colapso. Implicaria uma negociação realista baseada nos interesses materiais concretos dos Estados, como aqueles casais que coabitam, mesmo depois do divórcio, para nenhum deles ter de ir morar na rua. A prioridade seria uma mudança das regras absurdas do tratado orçamental, que transformam, por exemplo, os 2,8% da derrapagem orçamental francesa prevista para 2019 numa coisa esplêndida, e os 2,4% solicitados pelo governo de Roma num pecado mortal! Contudo, os mesmos patéticos dirigentes políticos dos grandes países europeus que economizaram nos atos potencialmente redentores do projeto europeu, não nos poupam à sua retórica. A evocação do primeiro centenário do fim da I Guerra Mundial ultrapassou os limites do aceitável.