Merkron e Lisboa

Angela Merkel fica e os presidentes franceses passam. Desde que chegou ao poder, em 2005, a chanceler já trabalhou com quatro, mas talvez nunca, como agora com Macron, o eixo franco-alemão seja tão decisivo. As vitórias de Macron foram bem recebidas em Berlim. Por um lado, porque a continuidade da França no centro político da UE é uma garantia para que esta não se desagregue. Para a Alemanha - e o tributo a Helmut Kohl define a máxima -, a unidade europeia é vital à unidade alemã, ou seja, a integração europeia continua a ser estratégica para uma Alemanha forte, influente e rica. Não é um acaso que o principal slogan da campanha da CDU para as legislativas de setembro seja "fortalecer a Europa é fortalecer a Alemanha". Por outro lado, se aquela trilogia lhe confere um estatuto de unipolaridade europeia, não é assumida em êxtase, antes como um fardo que a classe política e a sociedade alemãs não querem carregar isoladamente. Para Berlim, o falhanço da sua liderança na Europa pode levar à desagregação continental e isso significa, retomando o argumento, diminuir o seu estatuto e a própria unidade interna.

É por isso que a relação entre Macron e Merkel é tão decisiva para o futuro da Europa. A singularidade do momento que vê um Estado membro sair implica uma liderança entre as posições dos 27, sob pena do desastre ser maior para todos. Aquilo que marcou o início das negociações do brexit nesta semana (direitos dos cidadãos da UE no Reino Unido e vice--versa) mostrou como uma posição pragmática e firme sob a batuta franco-alemã pode moldar a intransigência britânica e acelerar resultados. Se acrescentarmos a sinalização de Lille e Frankfurt como sedes das agências europeias atualmente em Londres (medicamento e autoridade bancária), vemos quem está a ditar o rumo das negociações. Além disso, as crises congeladas da zona euro, a começar no imperativo de reforma e a acabar na Grécia ou em Itália, obrigam a passar à prática um roteiro já desenhado mas que carece de concordância entre Paris e Berlim. E as várias crises europeias (desemprego, refugiados, passada russa, terrorismo) precisam de ver acelerados mecanismos comunitários que valorizem a cooperação em detrimento de investidas unilaterais, reforcem a coesão entre Estados para que a UE possa ser vista pelos cidadãos como estrutural às soluções das suas vidas e não como um obstáculo. A mudança de perceção entre a base e o topo da pirâmide europeia é o maior antídoto à ascensão dos populismos, nacionalismos e radicalismos.

Mas há também um jogo de perceções entre Berlim e Paris. Se Macron espera recetividade às propostas federalizadoras da zona euro, Merkel permanece sob dupla expectativa em função das eleições de setembro e da concretização do plano de reformas internas de Macron, que poderão transformar a relação com Berlim numa equação de maior paridade: foi também a assimetria económica nos últimos 15 anos que levou a um desequilíbrio político na condução dos destinos europeus.

O plano de Macron é baseado essencialmente no relatório Pisani-Ferry-Enderlein de 2014, o qual teve participação do atual presidente francês e do ministro da Economia alemão Sigmar Gabriel. Internamente, um generoso menu para infraestruturas, tecnologia e formação de desempregados, ao mesmo tempo que quer baixar impostos às empresas e flexibilizar contratações e despedimentos. Em paralelo, propõe um orçamento na zona euro, financiado pelos Estados membros, gerido por um ministro das Finanças único e sob fiscalização de um parlamento criado para o espaço da moeda única. Essa mutualização financeira permitiria, de acordo com Macron, aumentar a despesa e criar emprego sem ultrapassar os limites orçamentais dos tratados, permitindo transferências entre Estados para colmatar desequilíbrios na zona euro. Ou seja, o sucesso de Macron depende da cooperação europeia. A grande dúvida é se a terá.

Para que a consiga precisa de alargar as prioridades diplomáticas para lá de Berlim. Tem, sobretudo, de manter uma relação próxima com Roma, Madrid e Varsóvia. As primeiras consolidarão a agenda da zona euro, a última será vital para inverter o rumo iliberal a leste. Os três serão essenciais para reforçar a defesa europeia nos termos em que Paris e Berlim o querem fazer: credibilidade na segurança, nos meios militares e na investigação em defesa serão os eixos da credibilidade externa da EU com o Mediterrâneo, Rússia, EUA e China. No Conselho Europeu desta semana, o primeiro de Macron, foram audíveis as três prioridades na agenda que levou a Bruxelas.

Ora, qualquer relação especial entre o eixo franco-alemão e Madrid faz soar campainhas em Lisboa, que será obrigada a acrescentar a uma já antecipada pró--atividade em Bruxelas, Berlim e Paris, uma bastante mais estruturada agenda europeia com a qual possa ser politicamente consequente. Por outras palavras, Portugal vai ter de se preparar mais e melhor em todos os domínios da integração se quiser acompanhar a dinâmica continental pós-brexit imprimida por Paris e Berlim, a qual, sem rodeios, terá a bordo quem puder e do lado de fora quem não conseguir acompanhar. Se for este o caso, então Portugal passaria a não constar, pela primeira vez desde a adesão, do núcleo duro das decisões comunitárias, abrindo uma nova e incerta fase na sua estável política europeia. Além disto, a continentalização da UE obriga Lisboa a reforçar o seu pilar Atlântico se quiser continuar a apresentar uma política externa equilibrada, que maximize a sua história, relações bilaterais, diáspora e interesses. Neste sentido, o brexit obriga Lisboa a afirmar com outro vigor a sua agenda Atlântica (comercial, energética e securitária) e não a reduzi-la. Com Washington, Caracas, Brasília e Luanda a passar as fases que se conhecem, o mínimo que se pode dizer é que os tempos próximos serão tremendamente exigentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.