Linhas vermelhas

A primeira metade do ano europeu ficou marcada pelo alarmismo com a extrema-direita demagógica e populista, muito por culpa da incerteza nas eleições holandesa e francesa. A enquadrar essa agenda, com nuances e gradações de estilo e conteúdo, Trump instalava-se na Casa Branca, Putin seguia projetando o seu perfil de "estadista" - apreciado por gente insuspeita por esta Europa fora - e Erdogan, num estilo executivo semelhante, reagia em força à ressaca do golpe e fazia o pleno dos homens fortes na geografia que mais influencia a UE do exterior.

Mas se a Holanda e a França respiraram de alívio e o clima pré--eleitoral na Alemanha está hoje mais distendido, o triângulo autoritário segue sem rivais. Ou seja, esse círculo circundante de grandes potências vai continuar a influenciar a política feita na UE nos moldes em que exerce o seu culto da personalidade e a sua agenda interna. Dali, pese os interesses permanentes com os vários países europeus, nada de saudável chegará a uma democracia liberal na UE. A exigência em cada capital europeia que preze este modelo político é hoje, por isso, tremendamente elevada: continuar a ter interesses permanentes com grandes potências como os EUA, a China, a Rússia ou a Turquia, mas a ser absolutamente intransigentes na defesa dos princípios que balizam o espaço comunitário onde, felizmente, muitos dos sistemas democráticos se consolidaram. É o caso de Portugal.

O ano político europeu parecia, então, estabilizado, mesmo com Itália sob brasas e as reformas na arquitetura do euro por fazer, mas a verdade é que não está. Se o nacionalismo partidário foi derrotado em importantes eleições, o nacionalismo de Estado continua a fazer das suas. A segunda metade do ano está a trazer ao topo mediático o alarmismo com a concentração de poder, o autoritarismo de Estado, a violação da separação de poderes e a paranoia controladora da sociedade. Só que isto passa-se desde 2010 na Hungria e desde 2015 na Polónia, sem esquecer as derivas checa e eslovaca e um certo roteiro crónico de oligarquismo corrupto na Bulgária e na Roménia, que, apesar das diferenças, continuam com tentações próximas do antigo regime. Esta semana, em Sófia e em Bucareste, foram várias as pessoas que me descreveram os anátemas da primeira década de adesão e o vínculo de proximidade que sentem com Orbán. Mesmo sabendo os constrangimentos históricos, sociais e económicos que diferenciam os vários percursos - ausência de um Imre Nagy ou de um Lech Walesa; subjugação a Moscovo sem tentativas de rutura; pobreza endémica -, parece-me sólido afirmar que o futuro próximo dos países de Visegrado e dos dois banhados pelo mar Negro é de maior sintonia estratégica com Orbán do que com Macron ou Merkel.

O que isto significa é que não basta olhar com preocupação para os atropelos à democracia na Polónia quando milhares de pessoas saem à rua contra a politização há muito em marcha do sistema judicial. O mesmo se passa na comunicação social. Também não basta gritar "que vem aí o fascismo" apenas em 2017, quando em Budapeste milhares saíram à rua para travar uma lei que encerrava a maior universidade húngara apenas por perseguição e paranoia política de Orbán. O autoritarismo na Hungria regressou muito antes deste caso, tem sintomas altamente preocupantes e tem sido tratado pelas instituições europeias (Comissão à cabeça) e famílias políticas (PPE acima de todas) de forma desprezível. É por isso que não dá para desvalorizar derivas autoritárias, elas têm de ser atacadas mal surjam os primeiros sinais.

A gula por mais iliberalismo - como o próprio Orbán gosta de definir o seu modelo - não vive do fator Putin, como a rede partidária populista em vários Estados membros. Esse fator não faz a ponte entre a situação polaca e húngara, como sabemos. Trump sim, é motivo de admiração de ambos, tendo Orbán sido o único na UE a expressar o seu encantamento durante a campanha americana e de, recentemente, toda a hierarquia do Estado polaco ter sido abençoada pela visita do presidente americano no seu caminho por mais abuso de poder, nacionalismo identitário, euroceticismo e intolerância. É por isso que é ainda mais preocupante do que a rede de partidos anti-UE: porque estão enraizados nos sistemas e o corroem por dentro. Há nessas sociedades um desejo de saída da UE que justifique a deriva agressiva em curso? Não. O discurso anti-Bruxelas é instrumental à agenda nacionalista, nenhum político cavalga a rutura quando depende dos fundos comunitários para fazer obra e ficar no poder.

Exatamente porque estamos a entrar na fase de negociação do próximo orçamento comunitário - previsivelmente sem a fatia britânica - e porque o reforço do eixo Paris-Berlim não colhe simpatia em Varsóvia, Budapeste ou Bucareste, é provável que se acelerem as derivas autoritárias antes que, à mesa do orçamento, o destino das fatias venha condicionado às práticas de governação. E é bom que venham. É é bom que não se continue a tapar com o tapete as vigarices à democracia que minam silenciosamente a UE. Apesar de tudo, de uma coisa sabemos: ao silêncio de uns respondem milhares que não querem regressar ao passado. Em Varsóvia, Budapeste, Bucareste e Sófia ainda podemos ter orgulho neles.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.