Jo Cox

Tem sido uma campanha profundamente negativa e amedrontadora, com exaltação de medos permanentes sobre invasores estrangeiros ou absoluta miséria em caso de rescisão com a UE. Alguns líderes europeus, do alto da sua indigência política, têm acicatado o pânico com tiradas despropositadas, dando argumentos extra a quem despreza recados de fora. Chutar para um referendo existencial a disputa pela liderança partidária foi um erro tremendo de David Cameron, alimentado por aqueles que lhe exigiam uma fasquia de risco para revelarem todo o seu argumentário de mentiras, ilusões e revanchismo. O resultado está aí: uma deputada civilizada, moderada e cumpridora do seu dever eleitoral caída à lei da bala por um grito de Britain First. Não sei se esta tragédia pode inverter o sentido de voto de muitos indecisos e dar a vitória à manutenção do Reino Unido na UE, mas se tal acontecer Jo Cox não terá morrido em vão e algumas da suas bandeiras terão sobrevivido à mentira. Uma destas faz dos imigrantes chaga social e económica, fazendo crer que tudo seria diferente fora da UE. É falso. Mais de metade dos imigrantes não chegam da UE e os que daqui vêm contribuem com os seus impostos para o estado social britânico em dose maior do que os benefícios que usufruem. Aliás, nem se pode falar de um problema de desemprego alto ou recessão, pontos que muito contribuíram para a maioria absoluta conservadora. E o país nem vinculado a Schengen está. A existir falhanço na integração de imigrantes ele é de Londres, não de Bruxelas. Jo Cox era uma internacionalista, recusava transfigurar o Reino Unido numa Little Britain, empurrada por uma saída que mais não é do que um salto para o nacionalismo, o empobrecimento fora das generosas regras do mercado único, a periferia estratégica e a pequenez ideológica. A morte de Jo Cox mostra que estes vírus já cá moram mesmo sem brexit. A Europa está mesmo doente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...