'Borgen' revisitado

Na véspera da primeira das três eleições mais importantes do ano na Europa, todos os olhares estão centrados em Geert Wilders, o político mais vigiado da Holanda na última década. A atenção dada coloca-o numa posição ilusória de pivot indispensável a qualquer governação, além de lhe fazer o enorme favor de o pôr no centro do sistema, um erro político que muitos um dia acabarão por pagar. Não estou com isto a dizer que o caminho é o da desvalorização dos Wilders desta Europa, coisa que aliás contrariava os meus últimos cinco anos de investigação e análise à situação europeia, e valorizaria a danosa estratégia escolhida pelos líderes europeus para lidar com Viktor Orbán desde que este iniciou o processo de autoritarismo em curso na Hungria. O que digo é que Wilders conseguiu montar uma atmosfera política exclusivamente centrada em si, mas acima da sua real capacidade para influenciar a formação do próximo governo e, por via disso, da política europeia.

É verdade que, se vencer as legislativas - o que não é certo -, soarão cornetas nas sedes da Frente Nacional, nos arredores de Paris, e da AFD, em Berlim. Ambos os partidos cavalgarão a onda da vitória como se fosse sua, numa irmandade ternurenta mas cujo efeito eleitoral provavelmente não será o que preveem. Dir-me-ão que há um cheiro a dominó no ar depois do referendo do brexit e da eleição de Trump, mas em boa verdade não passa de uma perceção sem uma concreta base científica que ligue os eventos. Entretanto já tivemos a extrema-direita derrotada na Áustria, vemos Emmanuel Macron à frente de Le Pen nalgumas sondagens francesas, o SPD de Martin Schulz a subir na Alemanha, e os Verdes holandeses a quadruplicar as intenções de votos desde que Wilders resolveu chamar "escumalha" à comunidade marroquina. Este facto é ainda mais interessante dado que Jesse Klaver, o líder do partido de apenas 30 anos, é descendente de marroquinos e indonésios.

Ou seja, o Ocidente não está destinado à tragédia nacionalista e uma vitória de Wilders não é, necessariamente, motivo de exaltação triunfalista para os movimentos congéneres. O motivo é este: o líder do PVV não encontrará nenhum parceiro para formar governo, e uma sua vitória esbarrará na tradição negocial que privilegia um programa minimamente coerente, o qual exporá Wilders como um corpo estranho ao processo. Um processo negocial que, na tradição multipartidária holandesa, é bem mais importante do que a eleição em si. Pode até acontecer que o líder de um partido mais pequeno se projete nas negociações como aquele que tem melhores condições para chefiar o executivo e colar um programa de governo, que nesta altura da política europeia se pautará pelo compromisso comunitário, atlantista e da moeda única. Ou seja, quem apresentar uma direção ao arrepio destas linhas, como Wilders, não terá hipóteses de fazer parte de uma coligação balizada numa estratégia internacionalista - e não nacionalista - para a Holanda. Se assim for, que toquem as cornetas nas várias sedes dos partidos cosmopolitas por essa Europa fora. Estes sim, devem continuar a estar no centro das políticas públicas e dos rumos comunitários, sem descurar uma permanente autoavaliação sobre como se chegou a este ponto.

Os mais atentos recordarão o apoio parlamentar de Wilders ao primeiro governo de Mark Rutte (2010-2012), cuja separação por motivos orçamentais acabaria por reforçar o atual primeiro-ministro nas eleições antecipadas, dando origem ao atual "bloco central". A experiência não correu bem e o antieuropeísmo de Wilders é hoje bastante mais pronunciado do que então, definindo uma linha vermelha para os restantes atores. É também por isto que Wilders deverá ficar confinado à oposição parlamentar, dando até margem para que outros protagonistas possam ocupar espaços de poder confinados habitualmente a democratas-cristãos e socialistas. O comportamento destes últimos é mesmo um dos pontos de maior interesse destas eleições. Com as sondagens a apontarem para uma queda de 24% (2012) para apenas 6% - a maior entre todos - mesmo que integrem o puzzle da próxima coligação, dificilmente manterão a pasta das finanças e, por via disso, a continuidade da liderança do Eurogrupo. Além da blindagem a Wilders, este é o segundo possível bom efeito da noite eleitoral: tirar Dijsselbloem, um dos políticos menos sensatos da Europa, das decisões da zona euro.

O terceiro ponto de maior interesse resulta, mais uma vez, do processo de formação do novo governo. Mesmo que o atual primeiro-ministro Rutte mantenha essa posição de pivot - seja por ter ganho ou por ser, no quadro que exclui Wilders, quem se apresenta com mais pedigree político -, a verdade é que tudo aponta também para uma queda no número de mandatos, impacto que vai ditar a legitimidade do seu papel como facilitador de acordos. Se o conseguir, é provável que o fique a dever a uma narrativa eleitoral que tocou na agenda de Wilders no binómio identidade nacional/imigração, receita que Fillon ensaiou em França e que Merkel aqui e ali vai pisando na Alemanha. Mas, para Rutte prosseguir como líder, de duas uma: ou abandona esta guinada identitária por pressão dos demais partidos ou, mantendo-a, reduz o espaço e o tempo das alianças. O mimetismo de Rutte pode ser tanto uma tábua de salvação eleitoral como a sua guilhotina depois de 15 de março. Quem seguiu Borgen com atenção sabe que nem sempre quem ganha é o vencedor de uma eleição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.