Bloco central à italiana

Faço já uma declaração de interesses: Itália é o país que mais adoro no mundo, porque Portugal não está a concurso. Ali, sou tentado a desculpar tudo, a acomodar defeitos e a exagerar virtudes. De qualquer forma, o momento italiano exige frieza analítica e é por aí que quero ir. Estamos a uma semana das legislativas e o caos calmo que costuma caracterizar o ambiente político vai assumindo algumas nuances. Desde logo porque esta não é uma eleição qualquer. Desde as últimas legislativas (2013), vencidas por Bersani (que nunca tomou posse), Itália teve três primeiros-ministros sem ida às urnas, apoiados por uma maioria parlamentar e pela presidência da República, peça fundamental na gestão política do país.

No entretanto, os italianos passaram quase cinco anos em anemia económica, sem redução significativa da dívida pública (a segunda maior da zona euro, atrás da grega) e à deriva com a vaga de refugiados vinda do Norte de África. Olhar a moeda única como uma almofada de prosperidade passou a ser uma falácia para muitos e o sentimento de abandono por parte da UE fez trilhar uma narrativa agressiva contra Bruxelas, dando gás a partidos como a Lega Nord (LN) e o Movimento 5 Estrelas (M5S). Se na década de 1990 os italianos estavam entre os mais entusiastas da UE, hoje só 36% acompanham essa euforia, muito abaixo da média europeia.

Este processo teve um efeito imediato no sistema partidário. Tirando algumas figuras com prestígio (por ex. Napolitano, Letta, Mattarella, Gentiloni), todos os partidos cavalgaram a onda eurocética e antieuropeia, atingindo os grandes do sistema como a Forza Italia (FI) e o Partido Democrático (PD), tendo alguns assumido a admiração pelo grande desagregador da Europa, o senhor Putin (Matteo Salvini, da LN; Luigi di Maio, do M5S). Só a antiga ministra dos Negócios Estrangeiros, Emma Bonino (Più Europa), é que está em campanha com um discurso pró-europeu, com as sondagens a dar-lhe menos de 3%, só salva por integrar a coligação de centro-esquerda do ex-primeiro-ministro Matteo Renzi.

De qualquer forma, mesmo neste posicionamento europeu, há tons que adensam a incerteza pós-eleitoral. O M5S e a LN têm deixado cair a promessa de um referendo à saída do euro, preferindo alinhar no tema central desta campanha: o combate visceral à imigração. Berlusconi, que por lei está impedido de concorrer ao Parlamento mas é figura central da eleição, tem tiradas anti-Bruxelas que não casam com o seu passado no governo. Até Renzi, visto durante algum tempo como o europeísta da nova vaga, caiu já no clássico mantra da nacionalização dos sucessos e da europeização dos fracassos. Ou seja, o excesso de tática partidária e a oscilação de narrativas aumentam a desconfiança dos mercados e dos parceiros europeus. Mas se é assim, porque é que a terceira maior economia da zona euro tem merecido tão pouca atenção na imprensa europeia?

Uma das explicações pode estar na falta de novidades estimulantes. Renzi foi visto como uma lufada de ar fresco (mea culpa, mea culpa), que deu lugar à desilusão marcada por um egocentrismo berlusconiano e uma agressividade inusitada, ambos adulterando o seu cativante perfil inicial. O trio que está à porta para colher o seu insucesso também não entusiasma (Dario Franceschini, Graziano Delrio e Andrea Orlando). A restante oferta partidária tem passado por palhaços encartados (Grillo), neofascistas telegénicos (Di Maio, Salvini), liftings políticos (Berlusconi) e tecnocratas sem carisma (Monti, Letta). Juntemos a perceção de irreformismo crónico do aparelho de Estado e temos a ideia generalizada de uma tentadora predisposição para o declínio, a ruína, o desnorte e a decadência, tal como Petrarca, Dante, Ugo Foscolo ou Giacomo Leopardi escalpelizaram.

Apesar disto, Gentiloni inverteu um pouco o estado da arte. Credibilizou a governação no exterior, manteve um ministro das Finanças (Padoan) ouvido em Bruxelas, Paris e Berlim, estabilizou o pânico bancário, legislou em favor da competitividade empresarial, viu as exportações aumentar, o PIB crescer e reduziu a entrada de imigrantes depois dos acordos com os governos líbio e tunisino. O resultado deste percurso de ano e meio pode ser a sua recondução no cargo pelo presidente Mattarella. Para isto é preciso que seja formada uma "grande coligação" entre a frente de direita (liderada por Berlusconi) e a de esquerda (por Renzi), cuja composição das listas de deputados teve como orientação quase exclusiva o grau de concordância com este desenlace pós-eleitoral.

A questão que a "grande coligação" levanta em Itália é a mesma que está a colocar-se na Alemanha, numa altura em que os militantes do SPD votam por carta o acordo com a CDU/CSU: que espaço abre aos partidos antissistémicos? A campanha eleitoral está sob um manto emocional grande, com uma polarização entre esquerda e direita, mesmo que os campos tenham várias tonalidades. A imigração é o tema dominante e o choque com o crime de Macerata tornou o ambiente ainda mais tenso, pois ao homicídio de uma jovem por três nigerianos seguiu-se um ajuste de contas por um neonazi a disparar indiscriminadamente contra imigrantes e várias manifestações com focos de violência urbana. Num quadro destes, com os indicadores financeiros a contar menos, temos o caldo perfeito para bons resultados e entendimentos entre o M5S e a LN, inspirados na trilogia do pós-Guerra da Fronte dell"Uomo Qualunque, "políticos corruptos, intelectuais vendidos, o homem comum é que sabe". O caos calmo pode estar a chegar ao seu limite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.