A Resolução 2254

Um dia após ter sido assinado em Marrocos um acordo de unidade nacional para a Líbia, apadrinhado pela ONU, o Conselho de Segurança aprovou pela primeira vez e por unanimidade um roteiro político para a Síria, na esteira de etapas negociais de Viena a Riade, só possíveis porque Washington e Moscovo têm afinado pelo mesmo diapasão. Mas será que há motivos para pensar que a guerra na Síria pode finalmente ter fim à vista? É completamente prematuro celebrar, o que não significa que a resolução 2254 não possa ser o início de qualquer coisa. Primeiro, porque a ONU assume a coordenação geral da plataforma diplomática, não deixando que essa gestão caiba a um Estado em particular. Podemos duvidar da capacidade e credibilidade da ONU para levar isso à prática, mas o procedimento e o fórum são os indicados: quanto mais um Estado prevalecer teimosamente como líder do processo, mais retração causa nos antagonistas. A ONU dilui estas distâncias. Segundo, porque atirou propositadamente a "questão Assad" para as calendas, caso contrário não teria havido resolução. Isso não significa que o presidente sírio tenha um salvo conduto, mas a ambiguidade sobre o seu futuro é suficiente para não abrir um vácuo de poder fatal e manter abertas as hipóteses de reunir, em janeiro, regime e oposição à mesa. Para quê? Aceitar o calendário proposto: seis meses para formar governo provisório inclusivo e aprovar nova constituição, dezoito para realizar eleições sob supervisão da ONU. Parece irrealizável dado o caos no terreno, mas é aqui que o terceiro ponto encaixa. A resolução não alarga o roteiro político às áreas do ISIS e Al Qaeda, apelando mesmo à sua erradicação. O que o calendário e a negociação política permitem é ampliar mínimos de coesão interna anti-terrorista com supervisão internacional. Em tese, está correcto. Na prática, ninguém sabe se funcionará.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.