A espargata persa

Ao contrário das manifestações de junho de 2009, as de janeiro de 2018 trazem um acumulado sangrento de guerras civis em que o Irão tenta marcar uma posição

Desde os protestos de 2009 e os que temos acompanhado nos últimos dias, muita coisa aconteceu dentro e fora de portas do Irão. Em 2009, o chamado "movimento verde" tinha uma clara natureza política enquanto reação à reeleição do presidente Ahmadinejad, ato considerado pelos manifestantes como fraudulento: "onde está o meu voto?", era o grito que mais se ouvia nas ruas de Teerão. O derrotado, Mir Hossein Moussavi, ex-primeiro-ministro durante os longos e traumáticos anos da guerra Irão--Iraque, foi o principal rosto desse movimento de oposição. Tanto ele como Mehdi Karoubi, também importante à época, permanecem ainda hoje em prisão domiciliária. A primeira diferença está aqui: nos protestos deste início de 2018, não há nem uma liderança clara nem sequer um núcleo duro facilmente identificável como tal. E também não se pode dizer que exista uma natureza semelhante a 2009, dado que ninguém discute a legalidade ou a legitimidade da reeleição do presidente Rouhani em maio de 2017, o "moderado" de serviço à segunda volta.

Ainda em 2009, vimos que a maioria das manifestações se deram em zonas urbanas, com especial incidência em Teerão, ocupadas sobretudo por uma classe média universitária, aliás desvalorizada e menosprezada constantemente no Ocidente. Hoje, os protestos têm não só uma dispersão territorial muito maior - embora sejam no seu todo de menor dimensão -, como uma agenda reivindicativa mais difusa. Para tal efeito, não será descabido o facto de em 2009 só existir um milhão de smartphones no Irão, enquanto hoje praticamente são 50 milhões a propagar mensagens. O "onde está o meu voto?" deu lugar ao "deixem a Síria, pensem em nós" com que se iniciaram as marchas a 28 de dezembro em Mashhad, um clássico bastião xiita. Noutras cidades, como a sagrada Qom, ouviram-se saudosistas do xá e o depois disseminado "morte aos Guardas da Revolução", cujo grito chegou ao Curdistão iraniano e ao Khuzistão, a província do golfo Pérsico responsável por 85% da produção onshore nacional de petróleo e 60% de gás, mas que permanece refém de altos índices de pobreza e desigualdade. Ou seja, se em 2009 havia uma raiva acumulada desencadeada por um episódio político, em 2018 a raiva parece ter características mais profundas e geograficamente mais alargadas. Vale a pena explorar as duas principais.

A primeira, a meu ver, resulta das expectativas criadas pela eleição de Rouhani, em 2013. Apresentado como um reformista e um negociador, teve o grande mérito de conseguir impor internamente junto da cúpula do regime os méritos de um acordo que permitia monitorizar o programa nuclear em troca do alívio de sanções que estavam a minar totalmente a economia iraniana e a hipotecar o futuro de uma sociedade maioritariamente abaixo dos 40 anos. Ajudado pela administração Obama e pela UE, Rouhani foi saudado efusivamente nas ruas com esse triunfo diplomático, visto por muitos como uma fuga ao estatuto de pária com o qual não queriam ser identificados. Depois da assinatura do acordo, em 2015, a expectativa aumentou brutalmente, mas o tempo e o modo não ajudaram: era preciso inverter o desemprego jovem (mantém-se nos 30%), controlar a inflação (baixou de 30% para 12%), abrir um país de 80 milhões de consumidores ao investimento estrangeiro e dar início a um processo anticorrupção no aparelho de Estado. Rouhani teve sucesso nalgumas frentes e a reeleição parecia validar o seu projeto, mas o caminho é muito mais complicado do que parecia.

O segundo elemento de fragilidade resulta, não da denúncia do acordo nuclear por Donald Trump, mas da radial de incursões externas no Médio Oriente alimentadas pelo Orçamento do Estado e que minam completamente a capacidade financeira do governo para fazer face a vários colapsos iminentes. Só o custo com a guerra na Síria e o apoio ao Hezzbolah custam ao Irão em média dez mil milhões de dólares por ano, qualquer coisa como o valor do seu défice. A chamada "zona de resistência" sob liderança iraniana (Líbano, Síria e Iraque) tem sugado quase todos os recursos a uma economia a tentar sair do coma profundo das sanções, defraudando as expectativas daqueles que viam em Rouhani o homem capaz de inverter o estado calamitoso da trilogia económico-financeira interna: a gestão danosa dos recursos hídricos, uma das responsáveis pelo aumento brutal de preços nos bens alimentares no último trimestre de 2017 (40%-50%), a precariedade da banca e a rutura do sistema de pensões.

Ao contrário das manifestações de junho de 2009, as de janeiro de 2018 trazem um acumulado sangrento de guerras civis em que o Irão tenta marcar uma posição de vitória (Iraque, Síria) e de influência nos destinos de um conflito em escalada (Iémen) ou de um país em constante instabilidade (Líbano). Basta ver como o regime propaga o dom da ubiquidade do general Soleimani nos vários teatros de guerra regionais, o carismático líder dos Qods, a unidade de elite dos Guardas da Revolução. No entanto, qualquer império sabe, ou deveria saber pela história, que uma espargata prolongada para maximizar o seu autoidolatrado excecionalismo acaba por ter, mais cedo ou mais tarde, um preço altíssimo, para não dizer fatal. É isto que as ruas estão a dizer aos dirigentes iranianos.

Investigador universitário

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.