A espargata persa

Ao contrário das manifestações de junho de 2009, as de janeiro de 2018 trazem um acumulado sangrento de guerras civis em que o Irão tenta marcar uma posição

Desde os protestos de 2009 e os que temos acompanhado nos últimos dias, muita coisa aconteceu dentro e fora de portas do Irão. Em 2009, o chamado "movimento verde" tinha uma clara natureza política enquanto reação à reeleição do presidente Ahmadinejad, ato considerado pelos manifestantes como fraudulento: "onde está o meu voto?", era o grito que mais se ouvia nas ruas de Teerão. O derrotado, Mir Hossein Moussavi, ex-primeiro-ministro durante os longos e traumáticos anos da guerra Irão--Iraque, foi o principal rosto desse movimento de oposição. Tanto ele como Mehdi Karoubi, também importante à época, permanecem ainda hoje em prisão domiciliária. A primeira diferença está aqui: nos protestos deste início de 2018, não há nem uma liderança clara nem sequer um núcleo duro facilmente identificável como tal. E também não se pode dizer que exista uma natureza semelhante a 2009, dado que ninguém discute a legalidade ou a legitimidade da reeleição do presidente Rouhani em maio de 2017, o "moderado" de serviço à segunda volta.

Ainda em 2009, vimos que a maioria das manifestações se deram em zonas urbanas, com especial incidência em Teerão, ocupadas sobretudo por uma classe média universitária, aliás desvalorizada e menosprezada constantemente no Ocidente. Hoje, os protestos têm não só uma dispersão territorial muito maior - embora sejam no seu todo de menor dimensão -, como uma agenda reivindicativa mais difusa. Para tal efeito, não será descabido o facto de em 2009 só existir um milhão de smartphones no Irão, enquanto hoje praticamente são 50 milhões a propagar mensagens. O "onde está o meu voto?" deu lugar ao "deixem a Síria, pensem em nós" com que se iniciaram as marchas a 28 de dezembro em Mashhad, um clássico bastião xiita. Noutras cidades, como a sagrada Qom, ouviram-se saudosistas do xá e o depois disseminado "morte aos Guardas da Revolução", cujo grito chegou ao Curdistão iraniano e ao Khuzistão, a província do golfo Pérsico responsável por 85% da produção onshore nacional de petróleo e 60% de gás, mas que permanece refém de altos índices de pobreza e desigualdade. Ou seja, se em 2009 havia uma raiva acumulada desencadeada por um episódio político, em 2018 a raiva parece ter características mais profundas e geograficamente mais alargadas. Vale a pena explorar as duas principais.

A primeira, a meu ver, resulta das expectativas criadas pela eleição de Rouhani, em 2013. Apresentado como um reformista e um negociador, teve o grande mérito de conseguir impor internamente junto da cúpula do regime os méritos de um acordo que permitia monitorizar o programa nuclear em troca do alívio de sanções que estavam a minar totalmente a economia iraniana e a hipotecar o futuro de uma sociedade maioritariamente abaixo dos 40 anos. Ajudado pela administração Obama e pela UE, Rouhani foi saudado efusivamente nas ruas com esse triunfo diplomático, visto por muitos como uma fuga ao estatuto de pária com o qual não queriam ser identificados. Depois da assinatura do acordo, em 2015, a expectativa aumentou brutalmente, mas o tempo e o modo não ajudaram: era preciso inverter o desemprego jovem (mantém-se nos 30%), controlar a inflação (baixou de 30% para 12%), abrir um país de 80 milhões de consumidores ao investimento estrangeiro e dar início a um processo anticorrupção no aparelho de Estado. Rouhani teve sucesso nalgumas frentes e a reeleição parecia validar o seu projeto, mas o caminho é muito mais complicado do que parecia.

O segundo elemento de fragilidade resulta, não da denúncia do acordo nuclear por Donald Trump, mas da radial de incursões externas no Médio Oriente alimentadas pelo Orçamento do Estado e que minam completamente a capacidade financeira do governo para fazer face a vários colapsos iminentes. Só o custo com a guerra na Síria e o apoio ao Hezzbolah custam ao Irão em média dez mil milhões de dólares por ano, qualquer coisa como o valor do seu défice. A chamada "zona de resistência" sob liderança iraniana (Líbano, Síria e Iraque) tem sugado quase todos os recursos a uma economia a tentar sair do coma profundo das sanções, defraudando as expectativas daqueles que viam em Rouhani o homem capaz de inverter o estado calamitoso da trilogia económico-financeira interna: a gestão danosa dos recursos hídricos, uma das responsáveis pelo aumento brutal de preços nos bens alimentares no último trimestre de 2017 (40%-50%), a precariedade da banca e a rutura do sistema de pensões.

Ao contrário das manifestações de junho de 2009, as de janeiro de 2018 trazem um acumulado sangrento de guerras civis em que o Irão tenta marcar uma posição de vitória (Iraque, Síria) e de influência nos destinos de um conflito em escalada (Iémen) ou de um país em constante instabilidade (Líbano). Basta ver como o regime propaga o dom da ubiquidade do general Soleimani nos vários teatros de guerra regionais, o carismático líder dos Qods, a unidade de elite dos Guardas da Revolução. No entanto, qualquer império sabe, ou deveria saber pela história, que uma espargata prolongada para maximizar o seu autoidolatrado excecionalismo acaba por ter, mais cedo ou mais tarde, um preço altíssimo, para não dizer fatal. É isto que as ruas estão a dizer aos dirigentes iranianos.

Investigador universitário

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".

Premium

António Araújo

Virgínia, a primeira jornalista portuguesa

Estranha-se o seu esquecimento. É que ela foi, sem tirar nem pôr, a primeira jornalista portuguesa, a primeira mulher que exerceu a profissão de repórter nos moldes que hoje conhecemos. Tem o seu nome nas ruas de algumas localidades (em Lisboa, no bairro de Caselas), mas, segundo sei, não é sequer recordada pela toponímia da sua terra natal, Elvas, onde veio ao mundo às cinco da madrugada do dia 28 de Dezembro de 1882. Seu pai era oficial de Cavalaria, sua mãe doméstica (e também natural de Elvas), seus irmãos militares de fortes convicções republicanas; um deles, Carlos Alberto, chegou a estar na Rotunda em Outubro de 1910 e a combater as tropas de Couceiro por bandas de Trás-os-Montes.

Premium

Marisa Matias

É ouro, senhores

Chegar à União Europeia não é igual para toda a gente, já se sabe. Em vários países da União Europeia - treze mais em concreto - ter dinheiro é condição de porta aberta. Já se o assunto for fugir à morte ou procurar trabalho, a conversa é bem diferente. O caso a que me refiro é o dos vistos gold. Portugal integra a lista de países com práticas mais questionáveis a este respeito. Não sou eu quem o diz, os dados vêm do Consórcio Global Anticorrupção e da Transparency International.

Premium

Germano Almeida

Parlamentares

A notícia segundo a qual dois deputados nacionais ultrapassaram a fase dos insultos verbais e entraram em desforço físico junto ou dentro do edifício do Parlamento correu as ilhas e também pelo menos a parte da diáspora onde chegam as nossas emissões, porque não só a Rádio Nacional proporcionou ao facto abundante cobertura, como também a televisão lhe dedicou largos 22 minutos de tempo de antena, ouvindo não só os contendores como também as eventuais testemunhas da lide, e por fim um jurista, que, de código em punho, esmiuçou a diferença entre uma briga e uma agressão pura e simples, para concluir que no caso em apreço mais parecia ter havido uma agressão de um deputado a outro, na medida em que tudo levava a crer ter havido um único murro. Porém, tão bem aplicado e com tanta ciência, que não houve mais nada a fazer senão conduzir o espancado ao hospital para os devidos curativos. E para comprovar a veracidade do incidente mostrou, junto a uma parede, uma mancha de sangue que por sinal mais fazia lembrar o local onde uma galinha poderia ter sido decapitada.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Desta vez Trump tem razão

A construção de uma Europa unida como espaço de paz, liberdade, justiça e prosperidade sustentável foi o maior projeto político da geração a que pertenço. É impossível não confessar a imensa tristeza que me invade ao observar mês após mês, ano após ano, como se caminha para aquele grau de exaustão e fadiga que faz pressentir a dissolução final. O que une, hoje, a Europa é a mais elementar pulsão de vida, o instinto de autossobrevivência. Não dos seus governantes, mas dos seus mais humildes cidadãos. O tumultuoso Brexit mostra bem como é difícil, mesmo para um grande país com soberania monetária, descoser as malhas urdidas ao longo de tantas décadas. Agora imagine-se a tragédia que seria o colapso da união monetária para os 19 países que dela participam. A zona euro sofreria um empobrecimento e uma destruição de riqueza exponenciais, como se uma guerra invisível, sem mortos nem ruínas, nos tivesse atingido. Estamos nisto há dez anos. Os atos políticos levados a cabo desde 2008, nada mudaram na gravidade dos problemas, apenas adiaram o desfecho previsível. Existe uma alternativa minimalista ao colapso. Implicaria uma negociação realista baseada nos interesses materiais concretos dos Estados, como aqueles casais que coabitam, mesmo depois do divórcio, para nenhum deles ter de ir morar na rua. A prioridade seria uma mudança das regras absurdas do tratado orçamental, que transformam, por exemplo, os 2,8% da derrapagem orçamental francesa prevista para 2019 numa coisa esplêndida, e os 2,4% solicitados pelo governo de Roma num pecado mortal! Contudo, os mesmos patéticos dirigentes políticos dos grandes países europeus que economizaram nos atos potencialmente redentores do projeto europeu, não nos poupam à sua retórica. A evocação do primeiro centenário do fim da I Guerra Mundial ultrapassou os limites do aceitável.