O hara-kiri dos políticos

Ler as primeiras páginas dos jornais e pensar: "Que país é este?" O desabafo de alguém - que não conheço - nas redes sociais resultava de uma conjugação trágica de notícias que envolvem deputados, um ex-primeiro-ministro, um ex-ministro, banqueiros e empresários. A nata da nata, que se vai desnatando todos os dias à velocidade do som. Sendo todos inocentes até prova em contrário, todos somos bombardeados com informação que só nos pode levar a fazer a mesma pergunta vezes sem conta: que país é este?

Este é o país onde há políticos e partidos que resolvem fazer demagogia com a devolução de rendimentos. Para os quais os trabalhadores dos gabinetes políticos são diferentes de quaisquer outros e por isso não merecem que o Estado lhes devolva o que lhes retirou.

Este é o país onde o Bloco de Esquerda, o CDS e Fernando Negrão procuram capitalizar uns votos, aproveitando-se da imagem cada vez mais degradada que os portugueses já têm dos políticos. Não compreendendo que, amanhã, podem ser eles as vítimas do populismo dos outros e que nada pode ser restaurado com uma marreta, mas com escopro e martelo de cinzel.

Este é o país onde os deputados acham moralmente aceitável receber do Estado um subsídio de deslocação e acumular um desconto de residente pago... pelo Estado. Ou manter, por conveniência, a morada fiscal fora de Lisboa, vivendo na capital, apenas para ir buscar mais uns cobres aos contribuintes.

Este é o país onde um deputado do Bloco de Esquerda, apanhado nas viagens que o Estado subsidia duas vezes, decide anunciar uma renúncia que já estava em marcha, usando um truque infantil e demagógico para capitalizar a seu favor, e a favor do partido que representa, mais uns votos.

Este é o país onde uma deputada do PSD tem um rebate de consciência quando o seu nome sai na primeira página de um jornal e decide devolver o dinheiro que, até esse dia, achou moralmente aceitável ir buscar.

Este é o país onde os políticos não têm coragem de explicar aos cidadãos que alcavalas como estas - e tantas outras que não cabem neste texto - só existem porque a classe política é mal paga em Portugal. Pela responsabilidade e pelo nível de competência que se lhes exige. E que esse é um dos principais motivos para tanta gente competente fugir de cargos políticos. Mas defender isto significa perder votos, logo, o lugar de político e todas as alcavalas que daí advém.

Este é o país onde os políticos gostam de adornar os seus currículos para parecerem melhores e maiores. Cometem disparates que lhes saem caros a eles e muito mais caros à democracia.

Este é o país onde um ex-primeiro-ministro é acusado de ter montado, em benefício próprio, um esquema de máfia pós-moderna, capaz de lhe render milhões de euros, utilizando para isso o poder que o país lhe deu.

Este é o país onde um ex-ministro é suspeito de ter recebido uma avença de um banqueiro quando era ministro e depois de o ser. E não consta que fossem amigos há 40 anos.

Este é o país onde a promiscuidade entre políticos, banqueiros e grandes empresas atravessa o Bloco Central e não deixa, a nenhum dos dois maiores partidos em Portugal, margem para atirar pedras. Mas abre uma oportunidade - sempre desperdiçada - para reconstruir as bases de confiança entre cidadãos e políticos.

Nada ficará como dantes e era bom que todos tivéssemos consciência disso. O que se tem passado nos últimos anos em Portugal terá consequências sérias para a democracia se os partidos políticos não forem capazes de travar este verdadeiro hara-kiri. Se não deixarem de lado a demagogia e o populismo barato. Se não forem capazes de fazer uma introspeção e deixar de analisar a atualidade como "mais um episódio" a que é preciso sobreviver. Independentemente da culpabilidade ou inocência de cada um dos visados, há objetivamente uma crise moral na política que é preciso discutir e resolver.

"Que país é este?" A resposta a esta pergunta tem muito mais de complexo do que parece. Porque não se esgota nesta inquietação que sentimos de cada vez que folheamos as páginas de um jornal. Este é também o país onde a justiça, com todos os defeitos que tem, procura encontrar-se a si própria. Investiga, interroga e julga, se for caso disso, sem medo dos poderosos. É o país onde ainda há políticos sérios, que se entregam à causa pública e que têm o sentido de dever no devido lugar. Este é o país onde a comunicação social - com todos os defeitos que lhe queiram apontar - continua a escrutinar, a perguntar e a explicar. Este é o país onde não podemos e não devemos tomar a parte pelo todo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.