O hara-kiri dos políticos

Ler as primeiras páginas dos jornais e pensar: "Que país é este?" O desabafo de alguém - que não conheço - nas redes sociais resultava de uma conjugação trágica de notícias que envolvem deputados, um ex-primeiro-ministro, um ex-ministro, banqueiros e empresários. A nata da nata, que se vai desnatando todos os dias à velocidade do som. Sendo todos inocentes até prova em contrário, todos somos bombardeados com informação que só nos pode levar a fazer a mesma pergunta vezes sem conta: que país é este?

Este é o país onde há políticos e partidos que resolvem fazer demagogia com a devolução de rendimentos. Para os quais os trabalhadores dos gabinetes políticos são diferentes de quaisquer outros e por isso não merecem que o Estado lhes devolva o que lhes retirou.

Este é o país onde o Bloco de Esquerda, o CDS e Fernando Negrão procuram capitalizar uns votos, aproveitando-se da imagem cada vez mais degradada que os portugueses já têm dos políticos. Não compreendendo que, amanhã, podem ser eles as vítimas do populismo dos outros e que nada pode ser restaurado com uma marreta, mas com escopro e martelo de cinzel.

Este é o país onde os deputados acham moralmente aceitável receber do Estado um subsídio de deslocação e acumular um desconto de residente pago... pelo Estado. Ou manter, por conveniência, a morada fiscal fora de Lisboa, vivendo na capital, apenas para ir buscar mais uns cobres aos contribuintes.

Este é o país onde um deputado do Bloco de Esquerda, apanhado nas viagens que o Estado subsidia duas vezes, decide anunciar uma renúncia que já estava em marcha, usando um truque infantil e demagógico para capitalizar a seu favor, e a favor do partido que representa, mais uns votos.

Este é o país onde uma deputada do PSD tem um rebate de consciência quando o seu nome sai na primeira página de um jornal e decide devolver o dinheiro que, até esse dia, achou moralmente aceitável ir buscar.

Este é o país onde os políticos não têm coragem de explicar aos cidadãos que alcavalas como estas - e tantas outras que não cabem neste texto - só existem porque a classe política é mal paga em Portugal. Pela responsabilidade e pelo nível de competência que se lhes exige. E que esse é um dos principais motivos para tanta gente competente fugir de cargos políticos. Mas defender isto significa perder votos, logo, o lugar de político e todas as alcavalas que daí advém.

Este é o país onde os políticos gostam de adornar os seus currículos para parecerem melhores e maiores. Cometem disparates que lhes saem caros a eles e muito mais caros à democracia.

Este é o país onde um ex-primeiro-ministro é acusado de ter montado, em benefício próprio, um esquema de máfia pós-moderna, capaz de lhe render milhões de euros, utilizando para isso o poder que o país lhe deu.

Este é o país onde um ex-ministro é suspeito de ter recebido uma avença de um banqueiro quando era ministro e depois de o ser. E não consta que fossem amigos há 40 anos.

Este é o país onde a promiscuidade entre políticos, banqueiros e grandes empresas atravessa o Bloco Central e não deixa, a nenhum dos dois maiores partidos em Portugal, margem para atirar pedras. Mas abre uma oportunidade - sempre desperdiçada - para reconstruir as bases de confiança entre cidadãos e políticos.

Nada ficará como dantes e era bom que todos tivéssemos consciência disso. O que se tem passado nos últimos anos em Portugal terá consequências sérias para a democracia se os partidos políticos não forem capazes de travar este verdadeiro hara-kiri. Se não deixarem de lado a demagogia e o populismo barato. Se não forem capazes de fazer uma introspeção e deixar de analisar a atualidade como "mais um episódio" a que é preciso sobreviver. Independentemente da culpabilidade ou inocência de cada um dos visados, há objetivamente uma crise moral na política que é preciso discutir e resolver.

"Que país é este?" A resposta a esta pergunta tem muito mais de complexo do que parece. Porque não se esgota nesta inquietação que sentimos de cada vez que folheamos as páginas de um jornal. Este é também o país onde a justiça, com todos os defeitos que tem, procura encontrar-se a si própria. Investiga, interroga e julga, se for caso disso, sem medo dos poderosos. É o país onde ainda há políticos sérios, que se entregam à causa pública e que têm o sentido de dever no devido lugar. Este é o país onde a comunicação social - com todos os defeitos que lhe queiram apontar - continua a escrutinar, a perguntar e a explicar. Este é o país onde não podemos e não devemos tomar a parte pelo todo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.