O julgamento político

1- Quase quatro anos depois, o PS decidiu finalmente ler a sentença política a José Sócrates - ainda dizem que é a justiça que é lenta. A investigação e o julgamento foi-se fazendo ao longo de todo este tempo, com advogados de defesa - os indefetíveis de Sócrates - e de acusação - os que, como Ana Gomes, nunca paparam grupos - a esgrimirem argumentos que ninguém levava a sério porque já ninguém consegue confiar no discernimento dos partidos políticos.

Ao PS oficial parecia faltarem provas de um comportamento ético e moral menos correto. Sim, talvez Sócrates até seja corrupto, talvez tenha lavado uns milhões, fugido ao fisco, mas nada disso estava provado. À justiça o que é da justiça, que enquanto o pau vai e vem folgam as costas e a política pode continuar o seu business as usual. Até que apareceu uma "prova" chamada Manuel Pinho. Como se, até aqui, este julgamento político dependesse apenas da figura de José Sócrates, do seu questionável modo de vida, como se fosse apenas uma coisa lá dele, que em nada coloca em causa o regime e a democracia.

Ora, o que está em causa, politicamente, não é apenas o comportamento do cidadão José Sócrates. É a atuação que ele teve, enquanto primeiro-ministro eleito pelo Partido Socialista, à frente do governo. O que está em causa é, como sempre foi, o próprio PS, por muito que os ratos agora fujam todos, por muito que os socialistas tentem proteger-se num cordão sanitário. Politicamente, estão todos contaminados. E não, António Costa não demorou quase quatro anos a perceber isto. Ele percebeu-o logo no dia 22 de novembro de 2014, assim que soube da notícia da detenção de Sócrates no aeroporto de Lisboa.

Mas se assim é, porque foi preciso este tempo todo para ler a sentença política a José Sócrates? Porque António Costa decidiu, desde o primeiro momento, deixá-lo a arder em lume brando na opinião pública. Nunca o defendeu, mas também nunca o julgou. Deixou-o "com a sua verdade" e aguardou. Aguentou o embate (e perdeu as eleições de 2015), mas soube sempre dar a volta por cima. O julgamento político de José Sócrates não se fez, foi-se fazendo. E chegou ao cúmulo de ter uma sentença ditada pelo próprio.

2- A questão que se coloca a seguir é a do julgamento político do próprio Partido Socialista. Se se comprovar que Sócrates foi um primeiro-ministro corrupto, isso significa que houve, necessariamente, um governo corrupto em Portugal. Não há governos de um homem só. Os governos têm ministros, têm secretários de Estado, chefes de gabinete, assessores, quase todos - senão todos - membros de um aparelho partidário. Assumindo que ninguém desconfiou, ninguém estranhou, ninguém percebeu bem o que se estava a passar, assumindo que, depois de 2005, o momento era de euforia e que todos quiseram surfar a onda de uma maioria absoluta, de um governo-espetáculo que parecia indestrutível, o julgamento político não pode ficar-se pela "vergonha", pela "raiva" e pela "desonra". Tem de ter uma pena, uma consequência dentro do próprio partido.

O PS não pode, não deve passar por isto e deixar tudo na mesma. Tal como escrevi há uma semana, mais do que grandes atos de contrição públicos - que também são necessários - é preciso preencher os vazios e evitar, de futuro, que outros usem os partidos políticos em proveito próprio. Há um julgamento político por fazer no Partido Socialista e António Costa tem uma escolha pela frente: pode ficar na história como o líder que teve a coragem de agir, ou como o secretário-geral que andou entre os pingos da chuva e contribuiu, por inação, para o desgaste de um dos partidos mais importantes do nosso regime democrático.

3- Deixo Manuel Pinho para o final, propositadamente. O chamado "independente" da política, como já houve tantos e de quem os partidos políticos tanto se orgulham. Os "independentes", tantas vezes mais dependentes do que os próprios militantes, servem frequentemente de bandeira aos partidos para mostrarem à sociedade que são capazes de atrair gente nova e capaz, "novos quadros" que trazem à política um saber que é cada vez mais escasso.

Manuel Pinho foi sempre uma figura peculiar e não apenas pelo par de chifres que simulou no Parlamento e que levou à sua demissão. Na forma e no conteúdo, o homem que vinha do BES fazia parte do governo-sombra de José Sócrates, um guru da política económica que o Partido Socialista queria implementar no país.

O desengonçado Pinho, que se deixou fotografar com Michael Phelps numa piscina e foi tantas vezes alvo de chacota pública, foi o ministro que inventou o AllGarve (Algarve para todos). Mas foi também o ministro que decidiu os PIN - Projetos de Interesse Nacional -, que renegociou rendas da energia e abriu vários concursos para as energias renováveis. E foi o ministro que fechou o acordo com os acionistas da Galp, acabando com uma guerra que durava há muito tempo. Manuel Pinho tinha muito poder. E quem lhe deu esse poder foi José Sócrates, secretário-geral do Partido Socialista.

Também aqui há uma reflexão e um julgamento político por fazer. É que os independentes fazem, de facto, falta à política, mas os altamente dependentes, sejam eles quem forem e venham eles de onde vierem, não só não fazem falta nenhuma, como também devem ser julgados, politicamente, por nós todos. A começar nos partidos que os recrutaram.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.