Acabem com esta palhaçada

Talvez esta tenha sido a frase mais acertada de "Pardal Marinho e Pinto Henriques". De facto, esta greve dos motoristas já ultrapassou todos os limites do ridículo e talvez seja tempo de "pedir um tempo" para refletir e resolver isto de uma vez por todas. Sob pena de o essencial da luta se perder. E o respeito por motoristas, patrões, Governo e oposição também.

O país inteiro já percebeu que esta greve tem o mesmo pai e a mesma mãe: Pardal Henriques, o advogado que nunca foi motorista na vida, mas que viu neles - nos que diz que representa - uma excelente oportunidade para fazer prova de vida e, quem sabe, lançar uma carreira na política nacional ou até, quem sabe, internacional. Se o Marinho e Pinto chegou a eurodeputado, o que é que ele é a mais que Pardal? Podia ter optado por participar em programas de televisão e mandar uns bitaites na condição de "shôtor", mas preferiu esta via. São opções. Parece que está na moda: inventa-se um sindicato à pressão, dizem-se meia dúzias de banalidades para aglutinar as multidões, fazem-se umas ameaças e ficamos todos a tremer das pernas. Se resultou com os enfermeiros, porque não pode resultar com os motoristas?

Se já era bastante óbvia antes de começar, a irracionalidade desta greve tornou-se ainda mais evidente nos últimos dias. Para que nunca percamos de vista o que está em causa, o sindicato que convocou esta greve exige um aumento de quase 150% em dois anos. Depois juntou-lhe mais umas reivindicações avulsas, só para a coisa não parecer tão ridícula, mas, no essencial, é isto. Como retaliação, ameaçou parar o país, deixar os carros todos a seco, as prateleiras dos supermercados vazias e as farmácias e hospitais à mingua. Razoável, não acham? Os motoristas que não concordam com esta greve são alvo de ameaças e coagidos a participarem nela. Faz-se peito aos "fura-greves" e esvaziam-se os pneus dos camiões, que é para eles verem quem é que manda aqui.

Chamem os adultos para a mesa e comecem a discutir com seriedade os problemas dos motoristas. Um ordenado base de 625 euros é indigno para qualquer profissão.

Enquanto isso, Pardal Henriques, no seu casaco de penas preto, consegue mais do que os 15 segundos de fama a que todo o ser humano tem direito. Não há quem não queira umas declaraçõezinhas dele, à espera do próximo título que fará furor nas redes sociais. Sempre com aquele ar de quem não parte um prato, rosto fechado de quem carrega às costas o peso de uma vida, desdobra-se em reações à Antram e ao Governo, ele que é um humilde servo dos motoristas, defensor dos oprimidos, que está nisto por missão e nada quer retirar daqui.

Não sei se Pardal Henriques está ou não a pensar entrar na política, mas, se estiver, aconselho-o vivamente a escolher o PDR de Marinho e Pinto. Uma referência na política nacional, que conseguiu enganar uns quantos nas europeias de há quatro anos e que agora ficou a ver passar os aviões para o Parlamento Europeu. Ou, em alternativa, qualquer partido onde pontifique outro ícone da política nacional, o anti-corruptível e muito forte nas redes sociais Paulo Morais. Quer um quer outro são ótimos exemplos do populismo bacoco com que este país, infelizmente, tem que lidar. É verdade que têm sete vidas cada um, mas, felizmente, estão a esgotar-se. Quem sabe se Pardal Henriques não é um digno sucessor?!

Mas esta palhaçada tem mesmo que acabar. Chamem os adultos para a mesa e comecem a discutir com seriedade os problemas dos motoristas. Um ordenado base de 625 euros é indigno para qualquer profissão. E sim, os patrões - das empresas de transportes e todos os outros - têm de meter na cabeça, de uma vez por todas, que nenhuma economia é sustentável quando assenta na exploração e na chico-espertice das ajudas de custo. Os motoristas não merecem ganhar mais porque têm a capacidade de parar o país, mas porque ganham mal. E o socialista que a Antram escolheu para dar a cara - que futuro lhe reservará o partido? - tinha a obrigação de saber isso.

Esta greve está a ser utilizada de forma oportunista por todos os intervenientes, com consequências económicas e pessoais para os que não têm culpa nenhuma

Esta palhaçada tem mesmo que acabar. Porque a política nacional já estava suficientemente ridícula para agora termos uma discussão sobre a forma como o Governo está a tentar capitalizar esta greve a favor do PS. Mas estavam à espera do quê? Que António Costa desperdiçasse esta oportunidade? Que deixasse o Pardal Henriques à solta em pleno mês de agosto e fosse punido eleitoralmente por um conflito que nem sequer é com o Estado? Claro que o Governo está a gozar o pratinho. É tentar não cometer erros, aproveitar a total desorientação do PSD e do CDS e o incómodo gritante do PCP e do BE, que ainda estão a tentar perceber o que está a acontecer e de que lado se devem posicionar. Três ministros, no mínimo, nas televisões todos os dias. O prime-time é para aproveitar. É mostrar aos portugueses que este Governo não os deixa ficar mal. Fiquem lá de férias descansados no sul do país, que nós estamos aqui para garantir que nada falha.

Esta palhaçada tem que acabar, antes que a oposição acabe antes dela. O PSD demorou quase uma semana para vir dizer que a reação do Governo é desproporcional, como se não soubéssemos todos que, uma vez no poder, a reação de Rui Rio a uma greve com estas características nunca ficaria aquém, mas sempre além da que o Governo teve. Se era para isto, mais valia continuar em silêncio. Já o CDS insiste na fuga para frente de quem não sabe muito bem como criticar o Governo e o melhor que lhe ocorre é defender uma revisão da lei da greve. A sério? Durante uma greve?

É mesmo bom que esta palhaçada acabe de uma vez. Sob pena de todos, por motivos diferentes, perderem o respeito do país e de, no final, ninguém ficar bem na fotografia. Mas, sobretudo, porque esta greve está a ser utilizada de forma oportunista por todos os intervenientes, com consequências económicas e pessoais para os que não têm culpa nenhuma. Acabem com esta palhaçada. De uma vez.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.