Intriga internacional em arcas congeladoras

Retomei a escrita pensando em assuntos sérios como o concerto de violino de Chopin e o festival wagneriano de Beirute, mas o pernil impôs-se

Juro que queria escrever uma crónica séria e sentida sobre o ano que acaba e o outro que começa, uma coisa assim à maneira de balanço e o coliseu para quando, que é a pergunta clássica do jornalismo pop a qualquer músico que se preze. Podia ser uma coisa introspetiva, quiçá lírica, sobre o sentido da vida. Ou uma memória dos momentos bons, dos novos amigos e das aventuras inesperadas. Dos livros que li, dos filmes, dos teatros, das músicas, das exposições, das séries de televisão. Das viagens. Uma crónica séria, preocupada com as alterações climáticas e os malefícios de Trump.

Mas sucede que a cada vez que começo a escrever aparece-me um alerta para um novo episódio do momentoso caso do pernil. Dos pernis, a bem dizer.

Até tentei ser uma pessoa organizada e escrever a crónica com antecedência para terminar o ano sem prazos nem pressas. Estava eu nisso quando ouvi o ministro dos Negócios Estrangeiros declarar que o governo não se mete em atos de sabotagem de pernil de porco, em resposta ao queixoso presidente da Venezuela. Alto, parem as máquinas que eu tenho de esclarecer isto.

Com o tempo, a preocupação deu lugar à despreocupação e tudo parecia ficar por aí. Retomei a escrita, ordenadamente, pensando de novo em assuntos sérios como o concerto de violino de Chopin e o festival wagneriano de Beirute, quando a questão se me impôs de novo. Notícias frescas: não há dinheiro, não há pernil. Uma dívida de 40 milhões de euros mete respeito, não se faz.

O caso estava resolvido, era um problema de falta de pagamento, não seria o primeiro nem será o último, tratem lá disso e vamos pensar no fogo-de-artifício do Ano Novo. Eu naquela do será que chove, será que os foguetes vão ficar empapados, isso é que não.

E desatam a circular as grandes perguntas. Poderá este caso afetar as relações dos dois países? Que retaliações sobre a comunidade emigrada? O que terão comido os venezuelanos na consoada? Será tudo isto uma cabala para impor perus e bacalhaus, uma desaforada tentativa de colonização cultural?

Estava eu nesta inquietação e cai com estrondo um novo alerta no telemóvel: afinal os pernis estão congelados na Colômbia. Digamos que geograficamente não faz muito sentido: a Colômbia fica para lá da Venezuela, os pernis deviam ter caído no sítio certo. Mas isto coloca uma nova questão: seguiram por via aérea ou marítima? Que correntes de ar ou de mar desviaram a encomenda? Bem sei que aquele é o país de García Márquez, dado a acontecimentos extraordinários que iluminaram a literatura com um novo género e tudo. Que é o país do narcotráfico, dos jornais e jornalistas assassinados, da Shakira, do encantador Plinio Apuleyo Mendoza que foi embaixador em Lisboa por uns bons anos. Ainda assim, porquê tal desvio?

Confesso que já tinha classificado como últimas do ano as gargalhadas que dei com a leitura da autobiografia da Rita Lee, essa explosão de porra-louca e produtos alucinogénios. Ela aplicou-se na escrita com tanta sinceridade que até criou uma nova grafia - não é acordo ortográfico, é uma ritaleegrafia, já de si divertida e apropriada. Tinha encerrado esse capítulo de divertimento com a Rita a roubar do palco as cobras que o Alice Cooper pontapeava e a oferecê-las ao pai que as tratou com carinho até ao fim da vida. E outras aventuras assim do género, toda uma época de ditadura e fim de ditadura, uma rapariga mal-comportada a cair e recair e a levantar-se sempre com a ajuda da música. Afinal ainda havia gargalhadas por dar em 2017.

Não sei quais serão os próximos capítulos do caso dos pernis mas fico intrigada com os efeitos colaterais. Como vai a ficção tratar este tema? Hitchcock já mostrou que um pernil pode ser a arma de um crime perfeito: basta usá-lo congelado e depois cozinhá-lo, podendo mesmo, com requinte, servi-lo assado aos detetives. Mas como vão os caricaturistas e cartoonistas descalçar esta bota? Os porcos, em versão integral, têm um honroso lugar na história da banda desenhada e da ilustração, mas estes pedaços de pigs in space não são tão gráficos assim. E com esta crónica espero provar que se pode desvirtuar uma expressão que sempre achei de mau gosto. Isto, sim, é esticar o pernil.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...