O RBI pode matar o Estado social

A ideia já foi recomendada pela OCDE, que incentivou os países a testar a eficácia do rendimento básico incondicional (RBI) ou rendimento básico universal. Lentamente, esta proposta está a deixar os extremos - sim, tem defensores e críticos nas duas pontas do espectro político-ideológico, o que pensando bem até pode ser bom sinal, e está a começar a ser discutida ao centro. De facto, é difícil resistir aos argumentos que o economista e filósofo Philippe Parijs invoca na entrevista que o DN publica hoje. É esse o poder das ideias revolucionárias, disruptivas, sendo igualmente certo que essa capacidade de sedução nem sempre significa que sejam boas ideias.

A proposta é simples - definir um valor de rendimento básico, pago a toda a gente, pobre ou rica, tenha ou não trabalho, e conseguir dessa forma uma redução das desigualdades. No essencial, trata-se de repensar a forma como o rendimento, a riqueza produzida por uma determinada comunidade é distribuída. O primeiro e mais decisivo argumento a favor do RBI é o estado a que chegámos nas sociedades ocidentais. Em Portugal, por exemplo, mais de um quarto da riqueza produzida está nas mãos de 1% da população e a tendência, nos últimos anos, revela um agravamento do fosso entre quem tem e quem não tem. Noutra medida, e falando ainda de Portugal, os 20% mais ricos ganham seis vezes mais do que os 80% mais pobres. A nível global, a comparação envergonha um pouco mais. Os 1% mais ricos detêm mais riqueza do que o resto da população mundial e as oito pessoas mais ricas "valem" mais do que metade do resto do mundo. A questão é saber se o RBI é a fórmula certa para suavizar o problema, para combater a pobreza a e a exclusão social.

Philippe Parijs põe a questão num plano filosófico, e aí é difícil não concordar com uma sociedade mais justa, mais inclusiva, com um maior equilíbrio entre trabalho e lazer ou trabalho e família. Num outro plano, o das políticas públicas, há uma série de questões ainda sem resposta óbvia. Há o problema do financiamento, que o professor belga não resolve, mas a principal questão é decidir se o RBI será complementar à atual rede de proteção social ou se a intenção será substituir-se ao Estado social. Nesta última hipótese, creio que o RBI, por muito bela que seja a utopia, poderia ter um efeito contrário ao pretendido. O melhor, mesmo, é continuarmos a debater o assunto...

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.