Ver para crer? Nunca mais

O momento a partir do qual iremos viver na dúvida sobre a veracidade de toda e qualquer imagem em movimento - filme ou vídeo - está muito mais próximo do que imaginamos. O debate em semiótica, à roda de imagens produzidas por computador - paisagens que parecem "reais" mas que não existem no mundo real -, começou há décadas, mas vai mudar, dramatizar-se e alargar-se a outras áreas.

Já há uns meses que o passatempo de alguns geeks, trocando mensagens nas profundezas da rede social Reddit, era conhecido. A ferramenta existia - trata-se de uma aplicação de desktop que recorre a inteligência artificial e machine learning -, foi criada por um utilizador conhecido como deepfakes e até agora tinha sido usada para "colar" caras de celebridades - atrizes e estrelas pop - ao corpo de outras atrizes em filmes pornográficos. Os especialistas mais céticos ocuparam-se a notar pequenas falhas nos vídeos, pormenores que denunciavam a falsificação. Insistiam que seria impossível a um programador isolado, desconhecido, atingir a perfeição de algumas produções de Hollywood que custaram milhões de dólares e muitas horas de trabalho.

Um dos exemplos a que recorriam era uma cena do episódio Rogue One da saga Star Wars (2016), uma cena em que foi recriada, por computador, uma princesa Leia (a atriz Carrie Fisher, falecida no ano passado) jovem e com o aspeto do primeiro filme da série. Ora, deepfakes aceitou o desafio, pegou nessa cena e fez melhor do que a Disney. Sem gastar um cêntimo, a princesa Leia dele é mais credível e muito mais fiel à Carrie Fisher de 21 anos do Star Wars original. E atenção, por muito mais credível entenda-se "não se consegue ver a diferença".

Já estão preocupados? Não? Então pensem o que esta tecnologia pode significar nas mãos das grandes empresas tecnológicas, de governos ou grupos de comunicação social menos escrupulosos. Imaginem o que é viver na incerteza total acerca do que nos é dado a ver como sendo real. A atual legislação está a anos-luz de conseguir lidar com as consequências desta tecnologia, sendo que os filmes pornográficos com estrelas pop e atrizes famosas serão, aposto, o menor dos males.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.