O Presidente, o pato e o cisne

A eleição de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo só pode ser vista como negativa ou perigosa por quem considera a instituição negativa ou perigosa, quem quer que seja que a lidere. É o caso dos parceiros do governo socialista no Parlamento. Em coerência, diga-se, PCP e Bloco não batem palmas. O cisne que lhes apresentou uma política financeira onde couberam muitas das suas bandeiras agora é apenas um patinho feio que representa tudo o que comunistas e bloquistas consideram errado na política financeira da zona euro.

O Presidente da República vê um caminho inverso. É certo que não se referia a si próprio quando ontem recuperou esta fábula para falar do percurso feito pelo ministro das Finanças. Se fosse, tinha referido o início do ano e não “o patinho feio de há dois anos”. Marcelo lembrou, e bem, que este governo e este ministro não foram bem aceites, pelos que agora lhes dão um prémio, quando chegaram. A eleição é, por isso, uma vitória para o país.

A verdade é que, desde o momento em que Mário Centeno “meteu os pés pelas mãos” no dossiê António Domingues na Caixa Geral de Depósitos até à eleição de ontem, também para Marcelo Rebelo de Sousa o ministro passou de “um patinho feio, para muitos muito feio”, para “um cisne resplandecente”. O Presidente sempre lhe reconheceu o mérito e a importância na solução governativa. Por isso, não pressionou muito quando Centeno cometeu o grave erro de prometer a Domingues o que não podia prometer. Por isso, trocar de ministro nunca foi opção.

A importância que Marcelo reconhece no caminho feito pelo governo mantém-se e repete à exaustão que “é preciso manter em Portugal uma política financeira firme, consequente, sem desvios nem aventuras”. Centeno bem pode dizer que a sua eleição não muda nada na relação entre o governo e os parceiros à esquerda. Não é isso que comunistas e bloquistas pressentem. O Eurogrupo só reconhecerá “o cisne resplandecente” se Centeno for um implacável ministro das Finanças em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

Premium Segundos, Enéas e minutos

"O senhor vê na televisão o programa político eleitoral do presidente, tudo colorido, todos contentes, artistas milionários, se é essa a sua realidade, então vote neles, PT, PMDB, PSDB, PRTB, qualquer P, sempre estiveram juntos, é falsa a briga deles, agora se o senhor não aguenta mais ver menor abandonado na rua, as drogas, os crimes, tudo o que não presta aumentando, se você quiser expulsar para sempre esses patifes do poder, só existe uma opção, 56, o senhor nunca me viu junto com nenhum deles e comigo o senhor vai ficar livre de todos eles, o meu nome é Enéas 56."