O CDS está onde estão os votos

Se há algo que podemos ter como certo na política nacional é a concorrência eleitoral entre PSD e CDS, muito mais aguerrida, aliás, do que entre o PS e os seus agora parceiros e ex-opositores à esquerda. Quando uns conseguem maioria absoluta, outros arrumam-se num táxi e o movimento contrário, muito menos acentuado, também existe.

Outra garantia, bem mais recente - tem pouco mais de uma semana -, é que Rui Rio vai ter uma tarefa muito mais pesada do que seria de esperar para arrumar a casa e ter o PSD na mão. Por muitas catarses que Negrão vá fazendo nos próximos tempos com os seus pares, o ambiente continuará pesado na bancada e a eficácia na oposição não será a ideal.

Dito isto, e lembrando que mais mês menos mês entramos em pré-campanha para as legislativas do próximo ano, e que pelo caminho há o aquecimento com as europeias, pode estar a criar-se o ecossistema ideal para assistirmos a um CDS verdadeiramente concorrencial. Na entrevista que Nuno Magalhães dá hoje ao DN, a uma semana do congresso de Lamego, é curioso ler os cuidados do líder parlamentar do CDS ao tentar definir o posicionamento ideológico do partido dele. É um partido de centro-direita, mas isso de direita e esquerda já teve melhores dias, não tem problemas em dizer que é de direita, liberal, mas também conservador, e democrata-cristão. Só lhe faltou dizer que o CDS também era de centro-esquerda... Compreende-se o cuidado. O CDS sabe que está a caminho de um ciclo eleitoral decisivo, no qual pode, talvez como nunca, capitalizar votos ao centro.

Assunção Cristas e Nuno Magalhães, claro, sabem bem que não é líquido que Rui Rio consiga recuperar, em pouco mais de ano e meio, as faixas do tradicional eleitorado do PSD que Passos-que-se-lixem-as-eleições-e-fui-expoliado-do-governo-Coelho alienou nos últimos anos. Há no mercado eleitoral um significativo conjunto de votos, de eleitores que jamais votarão PS, à mercê de Cristas se Rio não os conseguir convencer das qualidades do "novo" PSD. São esses votos que acentuam pot-pourri ideológico do CDS e que justificam a aposta em temas sociais e de soberania - permitem alargar a audiência. Esperam-nos tempos interessantes...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.