Não sei o que dizer mais

A geração que tem atualmente entre 15 e 29 anos vive o maior dos dramas que alguém pode ter na vida. O que fazer com ela? A OCDE diz que há, em Portugal, cerca de 20% destes jovens que não estudam nem trabalham. Infelizmente para eles não são profissionais do ócio, são "apenas" deserdados do sistema. Gente para quem a sociedade não construiu um caminho.

Entre os nem-nem estão muitos que fazem parte da geração mais bem preparada, da legião dos diplomados, dos que ajudaram a bater recordes de entradas na universidade. Entre os nem-nem também estão muitos jovens que abandonaram precocemente o ensino obrigatório. Uns e outros nem estudam nem trabalham, e que não se atrevam os fundamentalistas a presumir que todos estes jovens fizeram uma opção. Nós, como sociedade, é que fizemos uma opção. A de considerar como mera estatística todos os fenómenos que descartam pessoas como se elas fossem apenas números.

O desemprego, o abandono escolar, a pobreza, nunca deviam ser contados em números. Cada pessoa é uma história e com tantas histórias de desempregados, de excluídos, de pobres, deveríamos mobilizar-nos para a construção de uma sociedade mais justa. É, até por isso, muito pouco significativo que neste ano tenha entrado mais gente nas universidades. Para onde os estamos a mandar? Para empregos qualificados? Não é isso que nos diz a estatística.

O país cresce economicamente, o desemprego diminuiu, a taxa de abandono escolar baixou e o paradoxo não desaparece, os nem-nem continuam a ser cerca de um quinto dos jovens com idades entre os 15 e os 29 anos. São deserdados de luxo, gente que faz parte de um país que está mais rico, que tem mais emprego, mais escolaridade, mais oportunidades. E, no entanto, a vida para eles continua como se a crise nunca se tivesse ido embora. Nem sei que dizer mais... a OCDE e o Eurostat que se entendam. Afinal, é tudo uma questão de estatística.

Do mesmo autor

Mais em Opinião

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Opinião
Pub
Pub