Julgar na coutada do macho ibérico

Pouco do que a socióloga Isabel Ventura conclui no estudo sobre decisões judiciais em casos de violação tem real capacidade para surpreender. Ao ler algumas das passagens citadas nesta edição, recuperamos notícias antigas e casos esquecidos. No fundo, o que este trabalho faz é sistematizar e dar um enquadramento científico a algo que conhecemos há muito.

A investigação, assente na análise de decisões judiciais desde o século XIX até à atualidade e na forma como vítimas e agressores são vistos pela sociedade e pela magistratura, conclui que os juízes têm uma desconfiança quase sistemática das vítimas, o que conduz ao silêncio da mulher ou do menor vítima de violação e à impunidade de quem agride.

Isabel Ventura afirma ainda que não é possível identificar uma linha comum na forma como a justiça lida com estes casos, ficando cada processo à mercê das crenças e dos entendimentos pessoais de cada juiz. Como é óbvio, nenhuma decisão de um juiz é absolutamente asséptica e nenhum sistema de justiça pode ambicionar a absoluta objetividade de sentenças e acórdãos. Ainda assim, o que vemos descrito neste estudo vai muito para lá do aceitável.

Depois, e aqui está a parte deste estudo que nos deveria levar a refletir enquanto comunidade, a socióloga sublinha que a culpabilização e a desconfiança em relação à vítima é sobretudo uma construção da sociedade e não um exclusivo da magistratura. "Ainda temos muito para avançar", diz Isabel Ventura em entrevista à jornalista Rute Coelho. Não é aceitável que o retrato que vemos refletido nestas decisões judiciais, de um país que tem uma imagem distorcida do que é uma vítima de violação ou um agressor, passe em claro e não obrigue a parar para pensar. Num primeiro momento, a própria magistratura deve debater uma das recomendações deste trabalho: a especialização neste tipo de crimes, com tribunais ou pelo menos juízes dedicados a julgar crimes de violação. Enquanto sociedade, devemos isso às vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.