E agora, Rio?

O homem que anunciou a candidatura à presidência do PSD em outubro, dizendo que "a política precisa de um banho de ética", que "o PSD não é nem será um partido de direita", ou que quer reconciliar os portugueses com o partido, é agora o novo presidente dos sociais-democratas e líder da oposição.

Rui Rio construiu para si - na Câmara do Porto e nos cargos partidários que ocupou - uma imagem de economista austero, bastante mais agarrado à frieza dos números do que às emoções. Disse há anos que não lê romances, que não o atraem e que prefere livros técnicos. Na travessia do deserto entre a saída da vida autárquica e a noite deste sábado, foi falando com grande certeza sobre uma série de temas que dividem o país político. E foi colocando-se numa posição que normalmente dá bons resultados em Portugal, pé fora e pé dentro do sistema e falando dos vícios políticos alheios como quem não faz parte do clube. Cavaco Silva pode bem ter servido de modelo, a fórmula funcionou bem para o antigo primeiro-ministro e Presidente da República.

Mas, agora que está dentro, que esperar de Rio? Teremos de aguardar pelo congresso de fevereiro para uma clarificação interna, para que fiquemos a saber ao que vem o líder e este "novo" PSD. Digo novo porque se há algo que parece certo é uma vontade de corte com a anterior liderança. No habitual jogo de equilíbrios entre a afirmação de uma nova estratégia e a continuidade em relação ao passado, não acredito que Rui Rio gaste demasiado tempo a tratar do segundo prato da balança. Aliás, durante a campanha, Passos Coelho teve apenas direito a referências pontuais e que se resumiam a qualquer coisa como: "Recuperou o país da bancarrota, fez um bom trabalho." Ponto final parágrafo.

Agora que está eleito, e anotado tudo o que tem dito, o que os militantes e o país têm a esperar dele compõe uma agenda pesada e que vai exigir coragem. Afinal, há anos que Rui Rio defende reformas mais ou menos profundas em diversas áreas: sistema político, justiça, finanças públicas, financiamento partidário, jornalismo Construir uma alternativa com base em ideias impopulares nessas áreas - e impopulares desde logo dentro do PSD -, numa altura em que a economia cresce e as finanças do Estado estão a caminho do equilíbrio, não será vida fácil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?