Como criar um problema escusado

Apesar de alguma divisão de leituras constitucionais, parece relativamente consensual que a Constituição (CRP) não limita o mandato do(a) procurador(a)-geral da República. A explicação de Jorge Miranda é cristalina: os mandatos, em princípio, são renováveis e quando a CRP não pretende que o sejam, di-lo expressamente.

Daqui até outubro o primeiro-ministro e o Presidente da República têm um assunto para tratar - reconduzir Joana Marques Vidal ou nomear um novo PGR - e o governo, pelo que vimos ontem, tem um problema político a resolver. Se algo ficou claro é que a ministra da Justiça não quer a atual PGR mais seis anos à frente do Ministério Público e, ainda que por meias palavras, também ficou assumido que António Costa não concorda com a sua recondução no cargo.

Sendo este o caso, torna-se muito difícil compreender as declarações de Francisca Van Dunem ontem de manhã em direto na TSF. A pergunta de Fernando Alves não trazia jogo escondido na manga: "O mandato da PGR está perto do fim, pensa que ele deve ser renovado?" A resposta, para evitar tiros nos pés, era simples: "Essa é uma questão que não se coloca. A decisão só será tomada em outubro e lembro-lhe que esse é um processo que depende do diálogo entre o primeiro-ministro e o Presidente da República". A ministra preferiu, com a sua leitura jurídica, revelar o jogo e criar mais um escusado problema político ao governo.

Se é, como parece ser, consensual que o executivo não quer reconduzir a atual PGR, o ideal seria manter o assunto abaixo da linha do radar e ir negociando com Marcelo Rebelo de Sousa um novo nome. Agora, com o nível a que chegou o debate sobre este tema - acusa-se o PS de querer suavizar o MP e Francisca Van Dunem de pactuar com o governo angolano quando ainda hoje a ministra não sabe o que aconteceu ao irmão e à cunhada, desaparecidos em maio de 1977, na reação do MPLA ao alegado golpe de Nito Alves - arrisco dizer que dificilmente veremos o Presidente a alinhar na não-recondução. Seria uma decisão contra a perceção geral do país, algo que Marcelo tem preferido evitar.

O pior deste clima é que dificilmente teremos uma avaliação desapaixonada do trabalho de Joana Marques Vidal. Até porque entre uma atitude mais assertiva na investigação e acusação de ex-decisores políticos e banqueiros e alguma passividade face à violação sistemática das mais básicas regras do Estado de direito, essa é uma avaliação muito pouco óbvia e que pedia serenidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.