Até haver novo aeroporto...

Com o turismo a bater recordes sucessivos há quatro anos, a capacidade do Aeroporto de Lisboa, que andamos a discutir há mais de uma década, tem estado no centro das preocupações de agentes do setor, homens de negócios, empresários e governantes. Mas se muito se tem dito sobre o assunto, pouco do que se tem feito parece ter resultados concretos na resolução de um problema há muito detetado mas cujas soluções continuam a não produzir resultados. Há prazos indicados (alguns ultrapassados), sugestões feitas, alternativas ponderadas, estudos elaborados, mas continuamos a não ver passar as palavras a atos. A ideia de Beja acolher alguns voos, por exemplo, passou à história, porque os operadores não querem aterrar no Alentejo. Como nem os descontos no combustível serviram para os convencer, ao fim de sete anos de parca atividade, o local serve hoje para pouco mais do que parquear aviões.

A proposta para o novo aeroporto do Montijo, que a ANA entregou ao governo em novembro (três meses depois do prazo), prevê um conjunto de passos que, sem novos atrasos, atiram o arranque da obra para 2019. Ainda nesta semana, Fernando Medina rejeitou em absoluto a hipótese de alargar o horário de funcionamento do Humberto Delgado - uma sugestão que a ANA se apressou a garantir que não fez. E enquanto isso, só nestes janeiro e fevereiro, pela Portela passaram 3,768 milhões de passageiros, perto de 60% do tráfego total dos aeroportos portugueses neste período. O que se pode fazer para acomodar todos os mais que virão até o Montijo ser solução? É difícil responder, se não se apostar em realmente promover as alternativas, levando os operadores a experimentar outras pistas que não ficam assim tão distantes da capital. Como Monte Real, recentemente apontado para ser usado pela aviação civil e que, pela proximidade a Fátima, pode de facto desviar algum tráfego da Portela. Mas se não assegurarmos já que essa finalidade é cumprida, corremos o risco de ter Lisboa esgotada ao lado do maior parque de estacionamento de aviões da Europa.

Exclusivos