À espera do imperador

Na sua edição de 26 de maio de 1998, o DN dedicava a fotografia da primeira página à visita do casal imperial japonês à Expo de Lisboa. Não era a primeira visita de Akihito e Michiko a Portugal, mas a sua presença na celebração desses Oceanos que 500 anos antes levaram os nossos navegadores até ao Oriente relembrava o quão especiais são as relações entre portugueses e japoneses. Disso mesmo fui testemunha já este ano numa visita a Nagasáqui, onde deixámos muito boa memória e também um bolo chamado castela que parece pão-de-ló.
Falo de Akihito porque já era a sua família que dava imperadores ao Japão quando os portugueses chegaram ao arquipélago em 1543. Aliás, os japoneses nunca conheceram outra dinastia nos últimos dois mil anos pelo menos e mesmo quando o poder efetivo recaia nos xóguns, os imperadores continuaram a existir e a ser amados pelo povo. Imaginemos então o choque que significa a abdicação agora anunciada e que terá lugar a meio do próximo ano. Uma nova era começará, com filho a substituir pai, mas como não acontecia desde há 200 anos haverá um imperador emérito e, diz-se, discreto e a aproveitar bem os 84 anos (faz este mês).
Um dos desafios do Japão de hoje é o envelhecimento da população. Tem duas causas: o nascer poucas crianças e a elevada qualidade de vida, que potencia o número de octogenários, nonagenários e até centenários. Akihito, embora reivindicando origem divina, assemelha-se pois a muitos japoneses da sua idade, cuja saúde já não aconselha demasiado esforço e exposição. Também, dado o mediatismo do mundo de hoje, é uma questão de proteção da privacidade e da dignidade, e nesse desejo o monarca japonês está bem acompanhado, desde Bento XVI à rainha Beatriz da Holanda, dois casos recentes de abdicação.
País singular (Samuel Huntington dizia dele ser por si só uma das nove civilizações em que o mundo estaria dividido), o Japão é uma democracia que convive na perfeição com o seu imperador. Continuará assim de certeza com Naruhito, que também já visitou Portugal como príncipe herdeiro em 2004 (tal como Akihito em 1985) e conhece tão bem como o pai como o contacto com o mundo moderno chegou ao Japão há meio milénio via os portugueses. Esperemos então pela sua visita já como imperador japonês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.