A Alemanha superarmada

Mike Pence foi à tradicional conferência sobre segurança que todos os invernos se realiza em Munique elogiar a NATO e reafirmar o compromisso dos Estados Unidos com a Aliança Atlântica. Mas na linha de Donald Trump, o vice-presidente americano não deixou de exigir mais envolvimento dos parceiros europeus, o que significa mais gastos em defesa, se possível já os 2% do PIB, que são a fasquia negociada desde que a Rússia anexou a Crimeia há três anos.

Ora, dos grandes países europeus, só o Reino Unido cumpre os 2% acordados na cimeira da NATO de 2014 em Gales (a Polónia também, mas a sua economia não está ao nível da demografia). A França falha por pouco, mas a Alemanha, a Itália e a Espanha estão muito aquém do esperado pelos americanos. E Pence falar tão claramente em Munique significa que as atenções estão sobretudo centradas na Alemanha, primeira potência económica europeia e quarta a nível mundial.

Sabe-se que a chanceler Angela Merkel não é muito pressionável. E que a Alemanha, que até tem aumentado o seu orçamento militar, só conta atingir os 2% do PIB em 2024. O que significa que Trump vai ter de ser paciente com os alemães para bem da parceria.

Mas mesmo que Merkel, favorita neste ano a ganhar um quarto mandato, estivesse disposta a fazer a vontade a Trump e a Pence talvez tal não fosse uma boa ideia para a Aliança Atlântica. É duvidoso que outros países da própria NATO ficassem tranquilos perante um salto do orçamento militar alemão dos atuais 36 mil milhões para os 60 mil milhões. Isso representaria uma supremacia militar alemã na Europa nada fácil de digerir por aliados como o Reino Unido e a França, já para não falar também da Polónia, por muito que hoje esta esteja preocupada antes com a Rússia. E que dizer da reação de Moscovo? De um momento para o outro, a Alemanha passaria de nona potência militar para terceira, só atrás dos Estados Unidos e da China.

Talvez até fosse bom que a Alemanha atingisse já esse patamar, pondo fim aos medos herdados da Segunda Guerra Mundial (e que condicionam também outro aliado americano, o Japão, ainda que fora do âmbito da NATO). Mas o risco de mal-entendidos é demasiado forte num continente onde a história pesa muito. Aqui está uma lição que a nova liderança americana vai ter de perceber. É que nem sempre basta ter os números a dar razão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.