Morangos amargos

A noite de ontem foi melhor do que as anteriores para os 23 nepaleses que o SEF resgatou em Almeirim, em estufas de morangos. Dormiram em casas de abrigo onde lhes foi devolvido o estatuto de pessoas que lhes fora negado pelos traficantes que os trouxeram para Portugal. Não há outra designação para esta gente que trafica pessoas em condições de escravatura, uma realidade teimosa: segundo as Nações Unidas, no final do ano passado calculava-se em 21 milhões as vítimas de trabalho escravo a nível mundial; todos os anos 2,4 milhões são apanhadas por redes de tráfico, em grande parte para exploração laboral. Dir-se-á que num problema a esta escala é irrisório falarmos de 23 homens. Mas nem que fosse apenas um ser humano a viver nas condições agora reveladas, seria sempre de mais. Pessoas que percorreram 8,3 mil quilómetros à procura de trabalho pago e se viram confinadas a instalações sem água nem eletricidade, quartos minúsculos sem janelas. Diz o relatório do SEF que lhes tinham sido prometidos salários de 500 euros mais subsídio de alimentação, e afinal a comida a que tinham acesso reduzia-se a massa, batata, cebola e arroz. Que assinaram contratos às escuras sem saber a língua, sem meios para se defenderem. Que o alojamento lhes era descontado no reduzido valor que recebiam. Escravatura, não há como adoçar a questão. Na operação foram presos três homens, dois deles estrangeiros que se preparavam para fugir. As vítimas foram acolhidas por uma equipa multidisciplinar especializada do SOS Seres Humanos, da Associação para o Planeamento da Família, e ficaram alojadas em casas da Segurança Social. Enfraquecidas pelos maus tratos, têm agora um tempo de pausa para recuperar forças e contar às autoridades o que se passou. Com o estatuto de vítimas, terão direito a uma proteção legal. O SEF avisa que há indícios de que o fenómeno está a aumentar entre nós. Não podemos ignorar esta realidade, mesmo se sabemos que existe legislação e meios para combater este crime em Portugal. Vinte e três pessoas escravizadas dormiram abrigadas nesta noite e esta é uma boa notícia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.