À espera da realidade

Se outras não houver, o governo de António Costa já tem lugar reservado na história por duas razões: ser o primeiro de um partido que não ganhou eleições e ser o primeiro a contar com apoio parlamentar dos partidos à esquerda do PS. O primeiro-ministro indigitado orgulha-se de ter "derrubado um muro" com 40 anos, mas até agora não conseguiu mais do que três "posições conjuntas" que nem sequer garantem a aprovação de orçamentos ou impedem a apresentação de moções de censura ao futuro governo. O caminho que tem pela frente é por isso estreito e cheio de pedras, pelo que não é de estranhar a forte componente política das escolhas que fez para o acompanharem em São Bento. António Costa sabe que os próximos tempos serão de negociação permanente, será essa a máxima a seguir, e que o seu executivo será objeto de escrutínio constante, não só cá dentro como lá fora. Não é pois inocente que, numa primeira análise, este governo seja de combate. A aposta em pesos-pesados do universo socialista é reveladora da preocupação de Costa. Santos Silva nos Negócios Estrangeiros ou Vieira da Silva na Segurança Social significam o recuperar de um núcleo político que, juntamente com António Costa, foi de grande eficácia e utilidade a primeiros-ministros como António Guterres ou José Sócrates. Mas a Economia e as Finanças são o alvo maior da atenção europeia e as escolhas previsíveis de Manuel Caldeira Cabral e Mário Centeno são um sinal claro de que não haverá grandes guinadas nas opções de política económica e financeira. Aliás, os célebres mercados sempre tão sensíveis ao sobressalto político têm estado tranquilos e as mensagens que chegam dos principais parceiros europeus, desde logo da poderosa Alemanha, são de serenidade e confiança. Na verdade, ao fazermos uma análise fina do posicionamento ideológico destes novos ministros percebemos que, apesar de validados pelo PCP e pelo Bloco, estão longe, muito longe, de poder ser classificados como perigosos esquerdistas. E este facto conduz-nos a outra constatação original: este será um governo ao centro apoiado pelas esquerdas. Perante a ausência de alternativa, Cavaco "indicou" António Costa para primeiro-ministro. A direita, resignada, fez uso da retórica que se esperava. As esquerdas congratularam-se. Resta saber quanto tempo tudo isto vai resistir ao choque com a realidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.