À procura de Frank Capra

As imagens da invasão do Capitólio, em Washington, são demasiado chocantes. Ainda sob os seus efeitos mais imediatos, será prudente não as encerrarmos numa qualquer "significação" determinista vocacionada para preencher os circuitos mais velozes do espaço mediático. Creio, em particular, que importa não ceder ao esquematismo moral e ao simplismo político segundo o qual, de repente, face à obscenidade do que vimos, sabemos "tudo" sobre as razões, determinações, modos de vida, ideias e sentimentos dos mais de 74 milhões de americanos que votaram em Donald Trump.

Duas componentes da iconografia dos invasores são de uma brutalidade enigmática. A perturbação que arrastam apela, no mínimo, antes de qualquer reflexão, a um exercício tão didático quanto possível de descrição.

Assim, por um lado, vimos bandeiras da Confederação dos Estados do Sul, obviamente saudosas de uma conjuntura - que desembocou na Guerra Civil, 1861-1865 - em que a organização política e as vivências sociais envolviam mecanismos específicos de repressão e, em particular, a escravatura dos negros. Ao mesmo tempo, por outro lado, alguns dos manifestantes exibiam sinais (peles de animais, cornos na cabeça, cara pintada) que provêm de um visual direta ou indiretamente ligado a marcas identitárias de tribos de índios.

Entre o anacronismo político das bandeiras e a nostalgia figurativa dos falsos índios, desenha-se um misto de negação e absurdo. Em boa verdade, não parece fácil conciliar no mesmo discurso os valores do projeto político que a Confederação encarnou e a exaltação dos índios como símbolos de uma qualquer revolta próxima desses valores.

Talvez que aquilo que vimos seja, entre outras coisas, um sintoma muito cru de uma sensibilidade niilista que está longe de ser um fenómeno made in USA - será mesmo, creio, transversal a muitas sociedades contemporâneas. A dificuldade em lidar com a sua existência começa no facto de tal sensibilidade se exprimir, não através de discursos de cariz político, mas de uma negação da própria pertinência dos gestos clássicos (entenda-se: democráticos) de intervenção política. Daí que este niilismo se afirme, cegamente, contra aquilo que designa como o "sistema": o invasor do Capitólio que se senta e, em pose triunfante, coloca os pés em cima de uma secretária, é alguém que acredita que, desse modo, está a expor as contradições maléficas do "sistema".

Não podemos simplificar, claro. Nem transformar em anedota a inquietante irrisão que vimos, literalmente, em movimento. Até porque vale a pena não esquecer que, há poucos anos, o candidato Trump foi por muitos tratado como uma figura apenas anedótica.

Acontece que, na sua contundência, as imagens devolvem-nos às evidências geladas do tempo presente, passando a pertencer a "um dia triste na história dos Estados Unidos da América", como escreveu o cineasta Spike Lee no seu Instagram, lembrando que tudo aconteceu "no chamado berço da democracia". São imagens que podem suscitar o confronto com outras imagens, por exemplo do cinema de Hollywood, em que vimos (e continuamos a poder ver) o Capitólio numa representação bem diferente.

Penso no exemplo emblemático de Mr. Smith Goes to Washington (1939), de Frank Capra, entre nós conhecido por um título de óbvio simbolismo: Peço a Palavra. Nele se narra a odisseia de um jovem e ingénuo senador, interpretado pelo Stewart, confrontado com a perversa mecânica de diversos circuitos de mentira e corrupção. Com uma diferença ética que está longe de ser banal: o seu combate desenvolve-se a partir de uma crença radical na capacidade de o sistema (sem aspas) lidar com as suas próprias convulsões internas.

Escusado será dizer que a América (e o mundo) de 1939 não se repete neste nosso planeta "em rede" em que tudo comunica com tudo e, muitas vezes, nenhuma comunicação acontece. A herança de Capra não é a de um modelo fixo, congelado no tempo. Mas é, pelo menos, um património que nos convoca para a necessidade de pensarmos o que vemos para lá da aceleração do dia-a-dia mediático.

Jornalista

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG