«Terei sido inconveniente e arrogante, mas neste momento sou um gajo normal»

A uma semana do arranque da campanha para as eleições presidenciais, uma conversa com o candidato Vieira - que pela terceira vez não conseguiu reunir as assinaturas obrigatórias para ir a votos - sobre música, pintura, política. E sobre si próprio. Uma rara entrevista séria com o músico pintor e performer Manuel João Vieira, o homem por detrás das personagens.

Enquanto bebe um chá verde (aprendeu recentemente que a água não mata) vai contando: que gostou muito de fazer tudo o que fez até ao presente e que se sente contente com o resultado. Mas também que se esteve nas tintas para a carreira nas artes e que hoje, aos 53 anos, o lamenta profundamente. Que foi indolente e intolerante, que deu tiros nos pés, que pagou todos os preços. Mas é a vida, diz, e pensa nela de vez em quando. Como agora. O encontro foi no bairro de Campo de Ourique, em Lisboa, onde vive. Manuel João Vieira está em modo Manuel João Vieira. Dentro do possível, claro.

_Nascido em Lisboa, vive em Campo de Ourique há mais de cinquenta anos. Quais são as memórias mais antigas que tem do bairro?

As imagens da minha casa, tinha eu talvez uns 3 anos. Lembro-me de ir com a minha avó à igreja, de ir comprar uns maços de cigarros para a minha avó com o meu primo, lembro-me de jogar ao berlinde. Do jardim-infantil, lembro-me das festas, das batas e dos bibes.

_Fez aqui a escola primária?

No Liceu Francês, na secção francesa. Mas só porque tinha uma tia - a minha tia Manelinha - que era lá professora.

_Era um miúdo «cabeça no ar»?

Era sobretudo bastante solitário. Tinha um amigo ou dois e um mundo muito próprio.

Com um primo que vivia comigo, fazia coisas como esburacar as paredes de casa. Achava que elas guardavam um tesouro. E andava sempre à bulha.

_Filho de pintor [João Rodrigues Vieira, 1934-2009], ainda recorda o cheiro a tinta?

Os meus pais separaram-se quando eu tinha menos de 2 anos. Não me recordo.

_É considerado um dos melhores desenhadores portugueses, o melhor para muitos. Com que idade começou a desenhar?

Acho que temos uma história de excelentes desenhadores em Portugal, como o Fernando Brito, o Pedro Proença ou o Jorge Queiroz. No meu caso, desenhar a tinta-da-china é escrever uma espécie de solo de jazz ou de discurso indelével. Bem, posso sempre rasgá-lo e metê-lo no caixote. Respondendo à pergunta: muito, muito, cedo. Mas não era o único. Tinha colegas que também desenhavam. Eles carros, eu desenhava cavaleiros.

Continue a ler a entrevista a Manuel João Vieira na Notícias Magazine.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.