Por uma vida sem fome

Uma em cada 14 famílias portuguesas tem um problema grave no acesso a alimentos por falta de dinheiro. A fome tem vários rostos e há cada vez mais gente que tem de pedir ajuda para ter uma refeição. De um lado estão pessoas comuns a quem a vida correu menos bem, muitas delas, se calhar, até conhecemos. Do outro estão centenas de voluntários de instituições que fazem chegar comida onde ela escasseia. Esta é a história de duas delas, distinguidas na primeira edição do Prémio BPI Solidário.

É uma imensidão de terras, o que se vê ao entrar na Quinta da Várzea, em Setúbal. De um lado da estrada, terreno cultivado. Do outro, ovelhas. Há pessoas de enxada na mão, outras a fazer a corrida matinal. Ao longe, o Castelo de Palmela. O espaço é amplo e parece não ter fim. Aqui, respira-se liberdade.

Nesta quinta de 25 hectares, que pertence ao Ministério da Agricultura e foi cedida ao Ministério da Justiça, trabalham reclusos do Estabelecimento Prisional de Setúbal (EPS). Pelo bom comportamento e por estarem numa fase de flexibilização da pena (período de adaptação ao exterior com permissão para irem a casa durante três dias), estão em regime aberto - vivem na quinta. Uma espécie de ensaio para o que os espera quando voltarem para a vida real, com a respetiva reintegração socioprofissional.

Continue a ler este artigo na Notícias Magazine.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.