Esta noite mudou a hora

Não, não é só atrasar os ponteiros e pronto. A mudança da hora afeta também os nossos relógios internos, influenciando o apetite, o sono, a energia e muitos outros aspetos fisiológicos. É o inverno a chegar.

Tentando esquecer o escuro lá fora, Cátia Marques levanta-se e suspira. Trata de si, do pequeno-almoço, das marmitas, do biberão, da roupa, dos brinquedos espalhados, decidida a abrir os olhos. Às dez para as 07h00, sem mais tempo para ceder sem se atrasar, levanta o filho de dois anos, dá-lhe o leite, agasalha-o bem, leva-o ao infantário, segue para o trabalho. «Estava desejosa que a hora de inverno chegasse na madrugada de hoje. Agora o meu cérebro vai ter de aceitar que é dia sem eu precisar de repeti-lo na minha cabeça», diz. Atrasou os relógios de casa uma hora sem dramas, não porque lhe agrade voltar já de noite - parece que o tempo não rende tanto -, mas por lhe custar menos isso do que sair sem manhã. Apesar das neuras inevitáveis em dias tão curtos.

«A diminuição das temperaturas e da exposição solar representa um desafio por tender a gerar alterações físicas e mentais», alerta a psicóloga clínica Filipa Jardim Silva, da Oficina de Psicologia.

Continue a ler o artigo na Notícias Magazine.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.