Bom dia. Duplicou o número de refugiados que abandonaram Portugal

Em dois meses, 474 de um total de 1255 refugiados decidiram sair do país. Governo admite que Portugal não é um "destino preferencial". A falta de vacinação de adultos contra a pneumonia está a preocupar a OMS, e ainda a visita a um palácio insuspeito e recuperado em Benfica. Por Paulo Tavares

No dia seguinte, fazemos o balanço das presidenciais francesas, com os perfis dos dois candidatos que passam à segunda volta - Macron e Le Pen. Damos-lhe ainda conta dos alinhamentos de apoios para a votação de 7 de maio, e o enviado especial do DN a Paris, Ferreira Fernandes, traça os cenários para os próximos dias de campanha e para o pós-segunda volta.

Em apenas dois meses, o número de refugiados que decidiram abandonar Portugal duplicou. 474 optaram por sair das instituições de acolhimento, o que significa uma taxa de 40% de abandono, a mais elevada desde que há registo. O governo admite que Portugal "não é um destino preferencial" e que é necessário um trabalho de pedagogia junto dos refugiados, explicando-lhes direitos e deveres. O Bloco de Esquerda defende que deve ser elaborado um relatório de avaliação à política de acolhimento.

Na semana europeia da vacinação, relatamos uma nova preocupação da Organização Mundial da Saúde - a falta de vacinação contra a pneumonia entre os adultos. A prevenção em idade adulta é, de resto, um dos motes das autoridades nacionais para esta semana. Nesta edição do DN, ainda, contamos-lhe ainda que a redução dos alunos por turma só deverá atingir, ou beneficiar, 7% das crianças, todas em escolas consideradas carenciadas. O plano prevê ainda a contratação de 276 professores.

4500 edifícios públicos ou geridos em parceria com entidades privadas estão devolutos ou sem ocupantes. O número representa 20% do património do Estado e só não é mais elevado porque, nos últimos meses, foram vendidos diversos imóveis propriedade da Saúde e da Defesa. Numa história de sucesso na recuperação e reabilitação de património, o palácio Baldaia, em Benfica, vai abrir as portas ao público amanhã, 25 de abril. O edifício, no centro da freguesia de Benfica, serviu durante décadas como poiso para a Direção-geral de Veterinária, e reabre agora, recuperado, com biblioteca e espaços de trabalho. A propósito do 25 de Abril, pode ficar a saber onde e a que horas há espetáculos à borla no feriado.

De saída, e para quem não tenha visto os jogos, contamos-lhe tudo sobre o empate do Futebol Clube do Porto no Dragão, frente ao Feirense. Um jogo sem golos que deixou o FC Porto com os mesmos três pontos de atraso em relação ao Benfica, que empatou sábado em Alvalade frente ao Sporting. Dedicamos ainda espaço à derrota do Real Madrid em casa, frente ao Barcelona, o jogo que relançou a liga espanhola.

Bom dia e boa semana de trabalho.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.