Maduro prolonga suspensão de atividades laborais e escolares por 48 horas

O Presidente Nicolás Maduro prolongou por mais 48 horas a suspensão das atividades laborais e escolares, devido ao apagão que afeta a Venezuela desde a passada quinta-feira e que o Governo venezuelano diz ter origem numa "guerra elétrica".

"Decidi prolongar por 48 horas a suspensão das atividades laborais e escolares. (...) Continuaremos a trabalhar para estabilizar o serviço elétrico", disse.

Nicolás Maduro falava em Caracas, no palácio presidencial de Miraflores, durante uma transmissão em direto, e obrigatória, das rádios e televisões nacionais, na noite de segunda-feira.

O Presidente da Venezuela acusou a direita de estar envolvida na "guerra elétrica" e acusou-a de realizar ações que violam os direitos humanos dos venezuelanos.

"Como Chefe de Estado, acho que tem havido graves crimes contra os Direitos Humanos do nosso povo, contra o direito à paz, à estabilidade, que tem havido um grave crime de traição à pátria", frisou.

Segundo Nicolás Maduro foram detidos dois indivíduos alegadamente envolvidos numa tentativa de sabotar o sistema de comunicações de El Guri, a principal central hidroelétrica do país e onde ocorreu a falha que tem mantido a Venezuela às escuras.

"Peço que a justiça venezuelana procure os autores (...) deste gigantesco dano que foi feito ao nosso povo", frisou.

Por outro lado, explicou que a falha foi provocada por um ataque ao "cérebro computorizado" de El Guri e ao sistema de "condução" situado em Caracas.

Também houve "uma segunda via de ataque, eletromagnética, que mediante dispositivos móveis tem interrompido e revertido os processos de recuperação", adiantou.

A terceira via de ataque, disse, aconteceu através de uma "explosão" de uma subestação em Alto Prado (Caracas) que tinha como propósito "tombar toda a eletricidade em Caracas".

A Venezuela está às escuras desde a última quinta-feira, na sequência de uma avaria na central hidroelétrica de El Guri, a principal do país, que afetou ainda dois sistemas secundários e a linha central de transmissão.

Na sequência do apagão, na segunda-feira, o Governo venezuelano suspendeu as atividades laborais e escolares por 24 horas e depois por mais 24 horas.

Em Caracas, a eletricidade está a chegar a vários bairros, mas de forma intermitente.

O apagão afetou as comunicações fixas e móveis, os terminais de pagamentos e o acesso à Internet.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.