Venezuela: Guaidó vai participar na próxima reunião do Grupo de Lima em Bogotá

O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, anunciou que vai participar na cimeira do Grupo de Lima, em Bogotá, na próxima segunda-feira, "para discutir possíveis ações diplomáticas" contra o regime de Nicolás Maduro.

"Na segunda-feira irei participarei na cimeira do Grupo de Lima, para me reunir com todos chefes da diplomacia da região e também com o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, para discutir possíveis ações diplomáticas", disse Guaidó.

O líder da oposição falava na cidade colombiana de Cúcuta, acompanhado pelo Presidente da Colômbia, Iván Duque, e pelo secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro.

Na segunda-feira, o Grupo de Lima (13 países latino-americanos e o Canadá), reúne-se na capital colombiana para discutir a evolução da crise na Venezuela.

Por outro lado, Guaidó assegurou que a sua responsabilidade como Presidente interino "é exigir a entrada de ajuda humanitária na Venezuela" e "tirar a máscara à ditadura, abrindo o país à democracia".

Reconhecido por mais de 50 países, Guaidó garantiu ainda que vai continuar a procurar "todo o apoio necessário para acabar com a tirania", em referência à permanência de Maduro no poder.

"Hoje vimos como um homem, que não se importa com o povo da Venezuela, mandou queimar alimentos necessários para um povo faminto. Vimos medicamentos a serem queimados à frente do doentes", lamentou.

Para Almagro, os distúrbios nas pontes fronteiriças entre a Colômbia e a Venezuela, onde foi destruída a ajuda humanitária que chegou ao país, mostra a "absoluta falta de sentido humano do usurpador", aludindo a Maduro.

No mesmo dia, O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou que Washington "vai tomar medidas" para apoiar a democracia na Venezuela, condenando os distúrbios registados durante a entrada de ajuda humanitária no país, este sábado.

O dia ficou marcado por atos violentos na chegada de ajuda humanitária ao país, com camiões incendiados na fronteira com a Colômbia e outros a regressar ao Brasil, registando-se pelo menos quatro mortos em confrontos e deserções das forças venezuelanas. Pelo menos 285 pessoas ficaram feridas.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?