Grupo armado assaltou polícia militar e roubou armamento

Os assaltantes chegaram ao local vestidos de negro e com insígnias da Direção de Contra-Inteligência Militar (serviços secretos militares) e simularam uma rusga

Um grupo de homens armados assaltou o comando da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar) na localidade de los Teques, a sul de Caracas, de onde roubou várias armas.

Segundo fontes policiais, os assaltantes chegaram ao local vestidos de negro e com insígnias da Direção de Contra-Inteligência Militar (serviços secretos militares) e disseram aos oficiais que estavam de serviço que a realizar uma rusga devido a uma irregularidade cometida num procedimento.

Uma vez dentro das instalações, no parque de armas, maniataram vários funcionários e roubaram 26 espingardas automáticas modelo Ak-103, com 108 carregadores e 3.240 munições, três pistolas 9mm PGP, com os respetivos carregadores e 67 munições.

O assalto teve lugar pelas 2:30 horas locais (07:00 horas em Lisboa) e os assaltantes escreveram numa das paredes a mensagem "liberdade 350", em alusão ao número do artigo da Constituição que permite que os venezuelanos se declarem em desobediência e desconheçam qualquer autoridade que viole os Diretos Humanos e garantias dos cidadãos.

As autoridades venezuelanas estavam esta segunda-feira a fazer várias rusgas na zona e reforçaram a vigilância policial para tentarem localizar os assaltantes.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.