"Vamos fazer um acordo!" Theresa May lança apelo a Corbyn

Primeira-ministra britânica acredita que os maus resultados de Conservadores e Trabalhistas nas eleições locais de quinta-feira são reflexo do impasse nas negociações.

"Não há como como escapar aos factos, por mais desconfortáveis que sejam", diz a primeira-ministra Theresa May, concluindo que o resultado das eleições locais da passada quinta-feira é um aviso: o povo britânico está farto desta indecisão e quer que o Brexit avance rapidamente. Por isso, escreve May num artigo publicado este fim de semana no Mail on Sunday, "temos de encontrar uma maneira de romper o impasse". A primeira-ministra apela, então, ao Parlamento, para que procure chegar a um acordo rapidamente e pede ao líder da oposição, Jeremy Corbyn: "Vamos ouvir o que os nossos eleitores nos disseram nas eleições locais e pôr as nossas diferenças de parte por um momento. Vamos fazer um acordo."

Nas eleições locais, muitos conselheiros conservadores perderam os seus lugares. Neste texto, May começa por agradecer a sua dedicação e confessa: "Lamento o que lhes aconteceu, eles não o mereciam." "É claro que os eleitores votaram em grande parte com base no que está a acontecer - ou a não acontecer - em Westminster. E, como primeira-ministra, aceito totalmente a minha parte de responsabilidade por isso."

A conclusão a tirar é esta, afirma: os eleitores esperavam que o Governo cumprisse a vontade expressa no referendo sobre o Brexit e, até agora o Parlamento todas as propostas para tal. "O prazo de 29 março para a saída foi alargado, as pessoas estão frustradas - e eu compreendo perfeitamente porquê", escreve Theresa May. "Três anos passaram neste a histórica votação de 2016 e as pessoas precisam mesmo que avancemos com isto."Mas o eleitorado enviou uma mensagem também para o partido Trabalhista, alerta a primeira-ministra. Os trabalhistas também perderam lugares que tinham há décadas. "Claramente, o povo está cansado do fracasso de ambos os principais partidos em encontrar uma forma de honrar o resultado do referendo e retirar o Reino Unido da União Europeia".

É por isso que, nas conversações que vão continuar já na terça-feira, Theresa May espera que o Parlamento consiga avançar no acordo para o Brexit. "Acredito sinceramente que - mais de 34 meses depois do referendo - o que as pessoas querem é que os seus políticos se unam pelo interesse nacional e concretizem o Brexit."

Depois de o acordo do Brexit de May ter sido rejeitado já em três ocasiões pela câmara dos Comuns, o Reino Unido obteve duas extensões do Artigo 50.º, sendo a próxima válida até dia 31 de outubro e devendo, por isso, os britânicos participar nas eleições europeias de 23 e 26 de maio.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.